Fora Bolsonaro
Repressão dentro dos Assentamentos da Bahia vão servir de “projeto piloto” para destruição das áreas de Reforma Agrária no País
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
nabhan bacelar
O pistoleiro e latifundiário Antônio Nabhan articula com elementos da extrema direita na região | Imagem: youtube

A Força Nacional foi enviada para a região do Extremo Sul da Bahia no último dia 02/08 à pedido do secretário de Assuntos Fundiários, o latifundiário e pistoleiro Antônio Nabhan Garcia, para reprimir o os trabalhadores sem-terra e o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST).

Toda essa repressão se deve a um “projeto piloto” do governo fascista de Jair Bolsonaro para privatizar e destruir os assentamentos da Reforma Agrária em todo o País. Para isso toda uma estrutura foi criada dentro do INCRA (Instituto de Colonização e Reforma Agrária) que, hoje está a serviço de Bolsonaro, para que o próprio órgão atue na privatização das áreas de Reforma Agrária.

Privatizar os assentamentos significa hoje entregar as áreas da reforma agrária de volta para os latifundiários. A titulação dessas áreas são previstas pela própria legislação do INCRA, porém apenas de pois de cumprir uma série de etapas que garantam condições das famílias assentadas permanecerem e se desenvolverem na terra, tais como: aplicação de créditos; estruturação da área com a construção de casas e estradas, fornecimento de energia elétrica e concessão de créditos produtivos e assistência técnica.

Essas etapas não foram concluídas em nenhum Projeto de Reforma agrária, e nem será. Pelo contrário, o governo Bolsonaro vem atuando para garantir o total estrangulamento dos assentamentos e da agricultura familiar. Não há créditos, a assistência técnica às famílias foi extinta em todo o território nacional e toda a estrutura para o desenvolvimento dos assentamentos no INCRA foram destruídas. O único setor que funciona no INCRA hoje, sob ordens do governo bolsonarista, é o setor de “titulação”, que é a peça que faltava para que essas áreas pudessem legalmente voltar a ser concentradas nas mãos do latifúndio e agronegócio.

Porém todo esse plano de destruição encontrou uma enorme resistência, não só do MST, mas das famílias assentadas que não estão dispostas a entregar suas terras conquistadas sob tanta luta. A forma encontrada por Bolsonaro então foi usar de toda força repressiva do Estado para fazer esse processo na marra e esmagando as organizações de trabalhadores, através da Polícia Militar, Federal e agora a Força Nacional.

É preciso denunciar a ação do INCRA e do governo Bolsonaro dizendo que a efetivação da titulação dos assentamentos da Reforma Agrária no Extremo Sul, não passa de um golpe para destruir os assentamentos em um dos governos que é completamente contra os trabalhadores e a luta pela terra. Esse processo que está ocorrendo na Bahia abrirá caminho para o governo Bolsonaro destruir os assentamentos, as organizações dos trabalhadores e a luta pela reforma agrária em todo o país. Dessa forma, é imprescindível uma grande mobilização para expulsar a Força Nacional do território como também denunciar e escancarar toda a essa política nefasta que vem sendo desenvolvida pelo próprio INCRA e pelo governo de Jair Bolsonaro. A defesa dos assentamentos da Bahia é a defesa de todas as áreas da reforma agrária no país.

Nenhuma confiança no INCRA sob o governo Bolsonaro!

Nenhum acordo com os fascistas da Força Nacional e da Polícia Federal!

Fora Bolsonaro e todos os golpistas!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas