Mobilizar as torcidas organizadas em torno do Fora Bolsonaro!

torcidas

Uma marca muito acentuada do fraudulento e ilegítimo governo Bolsonaro vem sendo o ataque à cultura nacional. Para tentar levar adiante o ataque aos direitos democráticos das massas populares, os herdeiros golpistas da conspiração que derrubou o governo legitimamente eleito buscam neutralizar a reação das organizações de luta dos explorados, através da intimidação e do terror.

Uma das mais importantes – senão a mais importante – expressão da cultura nacional de massas é o futebol. Trata-se do esporte mais popular do país e também o que consegue arregimentar o maior número de pessoas, de todas as faixas etárias aos estádios, em todas as regiões do país.

Os golpistas, já há algum tempo, vêm tentando cercear e impedir o livre direito a manifestação das torcidas organizadas, inclusive tentando impor leis para banir em definitivo essas torcidas dos estádios. O meganha reacionário Major Olympio, bolsonarista eleito senador por São Paulo, apresentou projeto de lei neste sentido e agora, no congresso nacional, voltará ao ataque contra as organizadas.

Os estádios nacionais são espaços de grande concentração de massas e o futebol tem grande apelo entre a população trabalhadora dos grandes centros urbanos. Não foram poucas, no último período, as manifestações de várias torcidas e torcedores contra os abusos e os desmandos não só dos cartolas contra os clubes nacionais, mas muitas manifestações vieram no sentido de denunciar e repudiar também as arbitrariedades e a violência da Polícia Militar contra os torcedores em vários estádios país afora.

Um trabalho de agitação e propaganda sistemático e regular junto às principais torcidas e estádios em regiões de grande concentração popular, certamente irá despertar não só as organizadas, mas o conjunto dos torcedores e a população de uma forma geral. É pura mitologia a idéia de que o governo Bolsonaro tem apoio popular e que ainda não seria o momento de reivindicar o “Fora Bolsonaro”, como acreditam alguns setores da esquerda pequeno burguesa, que durante a campanha presidencial não foram capazes de lutar em defesa dos direitos democráticos da população (direito à candidatura do ex-presidente Lula; derrota do golpe de estado, etc.) e que continuam, neste momento, prostrados diante da ofensiva da extrema-direita, da burguesia e do imperialismo contra as massas.

A tarefa do momento, portanto, é não só intensificar a campanha e a luta política onde já existe algum trabalho, mas fundamentalmente ampliar a intervenção do partido em torno às campanhas de massas que devem ser realizadas junto às torcidas organizadas. Uma atenção especial deve ser dada ao trabalho no Nordeste, região onde a rejeição ao governo Bolsonaro é ainda maior e que agora conta com mais dois times nordestinos que ascenderam à primeira divisão do campeonato nacional: Fortaleza e CSA, de Alagoas.

O mesmo trabalho pode e deve ser realizado nos jogos da segunda divisão, a Série B, onde há também importantes clubes disputando vagas na divisão de elite do futebol nacional, com forte apelo e presença popular e das torcidas organizadas nos estádios.

Fora Bolsonaro e todos os Golpistas! Liberdade para Lula!