Movimento sem teto do centro
Mobilizações fazem Liderança do movimento de moradia ser libertada
Angélica é libertada por habeas corpus no dia 02 de agosto, sua prisão foi política, arbitraria, proferida por promotor que queria prender Lula em SP, no caso de Guarujá
ministerio-publico-estadual-sp-1-24-07-2019.JPEG
Movimento sem teto do centro
Mobilizações fazem Liderança do movimento de moradia ser libertada
Angélica é libertada por habeas corpus no dia 02 de agosto, sua prisão foi política, arbitraria, proferida por promotor que queria prender Lula em SP, no caso de Guarujá
Ato em frente ao MP-SP pela liberdade de quatro lideranças dos sem teto do centro
ministerio-publico-estadual-sp-1-24-07-2019.JPEG
Ato em frente ao MP-SP pela liberdade de quatro lideranças dos sem teto do centro

Presa com mais três lideranças do Movimento Sem Teto do Centro de São Paulo em 24 de junho de 2019, sendo eles: Preta Ferreira, Sidnei Ferreira e Edinalva, Angélica dos Santos Lima teve seu alvará de soltura acatado pelo tribunal da Justiça de São Paulo (TJ-SP) no último dia 02 de setembro, depois de mais de dois meses encarcerada pelo governo golpista de João Doria Júnior.

Porém há as outras três lideranças do Movimento Sem Teto do Centro que continuam presas e outras nove que estão com prisão preventiva decretada pela arbitrariedade do Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP), dessas nove lideranças, há uma que, inclusive foi absolvida em segunda instância, a Carmen Ferreira.

No pedido de habeas corpus foi relatado que Angélica vinha sofrendo de “constrangimento ilegal”, por conta da ausência de requisitos para a prisão preventiva.

Foram realizados vários atos ocorreram tanto no Tribunal Criminal da Barra Funda, no Ministério Público do Estado de São Paulo, bem como nos grandes atos da avenida Paulista, ocorridos de julho até agosto, como forma de denunciar a atitude golpista empregada às lideranças.

A prisão dessas lideranças se deu por parte das arbitrariedades do promotor de justiça Cássio Roberto Conserino  sem qualquer prova, por decisão arbitrária, tendo como principal objetivo incriminar pessoas ligadas ao movimento sem teto que coordenam prédios localizados na região central de São Paulo.

É sempre bom lembrar que Cassio Conserino foi o promotor que decidiu trazer o processo fraudulento do Luís Inácio Lula da Silva para São Paulo e prendê-lo nas masmorras, onde Angélica ficou, bem como, Preta, Sidnei e Edinalva, ou seja, existe o Mussolini de Maringá Sérgio Moro, hoje ministro da Justiça do governo federal, do fascista Jair Bolsonaro, e em São Paulo também há outro Mussolini, o Conserino.

A liberdade de Angélica é uma vitória de todos as organizações que se colocaram na tarefa de não abrir mão da defesa dos sem teto, bem como da liberdade de suas lideranças e o fortalecimento dessa luta fará com que os objetivos de conquistar um local para se acomodar, ganhe mais força para derrotar a política de criminalizar esse movimento, como o golpista do PSDB, João Doria Junior, governador de São Paulo, vem tentando fazer.