Conquista da luta popular
Após ampla campanha e mobilização, moradores do Projeto Mangabeira conseguiram impedir a realização do despejo da ocupação em que residem
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
projeto mangabeira
Moradores do Projeto Mangabeira em protesto nas ruas | Foto: Reprodução

As mais de 200 famílias que residem no Projeto Mangabeira e também em locais vizinhos, uma ocupação localizada próxima à cidade de Porto Seguro, vêm travando, desde o dia 17 de julho, uma luta contra uma decisão de reintegração de posse emitida pelo juiz Fernando Paropat, da 2° Vara Cível de Porto Seguro. O pedido foi emitido pela grileira de terra Vanessa Dasilio Coser, que se diz proprietária da terra, no entanto não possui nenhum documento provando isso. Na verdade, a terra ocupada pelo Projeto é resoluta, portanto pertencente ao estado da Bahia, e já abriga os moradores desde 2003. Lá já foram construídos diversas casas, poços artesianos, escolas etc.

Posteriormente, uma reunião foi feita entre os moradores da ocupação e representantes da polícia e do poder judiciário. O resultado dessa reunião foi a marcação do despejo das famílias para o dia 30 de julho, portanto nesta quinta-feira..

Diante desses abusos e do risco de ficarem sem ter onde morar, os moradores do Projeto Mangabeira fizeram ampla campanha da tentativa da justiça burguesa de deixá-los sem casa. Emitiram uma nota, gravaram vídeos, que foram veiculados pela Causa Operária TV  e o Diário Causa Operária, entre outras ações da comunidade. A campanha foi efetiva e o desembargador Raimundo Sérgio Sales Cafezeiro suspendeu, na noite de segunda-feira (29), a realização do despejo das famílias da comunidade. Posteriormente, os moradores saíram às ruas para celebrar a decisão e para protestar contra essa reintegração de posse, cujo pedido permanece em aberto.

A decisão dos moradores de fazerem uma campanha ampla contra a reintegração de posse foi extremamente acertada. É importante compreender que o despejo não foi suspenso por uma decisão de algum membro do judiciário, mas sim por conta da mobilização popular contra essa ação. Portanto, é necessário manter a mobilização contra esse abuso do poder judiciário contra a população.

É importante também destacar o crime que representa a execução de um pedido de reintegração de posse em plena pandemia de Covid-19, o que mostra o caráter genocida da direita e do poder judiciário, associado a ela. Para quem acreditava no caráter científico das instituições brasileiras, que fizeram uma propaganda demagógica da importância do “fica em casa” para combater o coronavírus, essa situação dá mais uma mostra das verdadeiras intenções da burguesia com relação ao povo trabalhador, que corre risco de morte por essa contaminação.

Abaixo, alguns vídeos com depoimentos dos moradores do Projeto:

https://www.youtube.com/watch?v=55wuaVrQ5CM

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas