Mobilização de operários da Ford e da GM: governo Bolsonaro se encontra em uma situação delicada

À medida que vai se desenvolvendo a política aplicada pela agenda do golpe, que através de suas manobras colocou o ilegítimo e impopular candidato do baixo clero Jair Bolsonaro na presidência, se intensifica de forma cada vez mais aguda os ataques aos trabalhadores.

A burguesia escravagista, que age como uma lombriga, sem qualquer negociação prévia com os trabalhadores impôs um ilustre acordo que rebaixa os salários e outras remunerações de milhares de operários, além abocanhar outros direitos, como por exemplo o fim da estabilidade de trabalhadores com deficiência, entre outras violações.

O governo bastardo de democracia e carente de apoio popular está definhando e não tem autoridade nem competência política para conter por meios democráticos a inevitável rebelião popular que está por vir.

Esse cenário indica que o governo se encontra numa situação delicada, uma vez que a classe operária organizada é a única que tem plena capacidade de derrubar o atual regime. Isso já foi comprovado historicamente através da irrupção operária do dia 12 de maio de 1978 que colocou o golpe em xeque, através da paralisação da ferramentaria da Scania e de toda a fábrica que, nesse dia, outras fábricas maiores do ABC também entraram em greve naquele maio de 1978, num movimento que foi se expandindo até as greves gerais metalúrgicas no ABC e em São Paulo, em 1979 e 1980.

A história nos ensinou que não devemos apostar nossas fichas em manobras parlamentares, boicote e muito menos em negociação com empresários que estão a serviço do capital, e por sua vez dos golpistas que servem ao Imperialismo que tem como plano transformar o Brasil em seu curral.

A esquerda, todas suas frentes e movimentos, sindicatos e organizações precisam se organizar na ocupação de todas as fábricas em todos os setores, uma vez que os trabalhadores sabem e tem condições de tocar uma empresa, da mesma forma que já fazem todos os dias.

É imprescindível a expropriação sem indenização e administração pelos próprios funcionários. Os trabalhadores não devem deixar os capitalistas capachos dos Estados Unidos fecharem as fábricas. Os trabalhadores da Ford e da GM devem controlar a produção, visto que que os capitalistas e seu regime político insustentável negam até mesmo o direito ao emprego, esse direito precisa ser garantido pelos próprios trabalhadores.