Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
aborto_argentina122916
|

Os debates referentes à legalização do aborto, em diversos países, sofrem influência direta da ala local mais conservadora. Entre aqueles que se intitulam “pró-vida” o discurso, e a prática, são os mesmos: a mulher que engravidou assim deve permanecer, indiferente da sua vontade. Ao nascimento da criança, pouco se importam com suas condições físicas, psicológicas e materiais, quiçá as da mãe.

Na Argentina, onde segue em curso o debate referente à legalização do aborto, a ala mais conservadora é expressa na igreja. Nesta segunda, o arcebispo de La Plata, monsenhor Víctor Fernández, na missa de Tedeum pelo Dia da Independência, pediu, junto aos fiéis, ao presidente, Mauricio Macri, que vete o projeto, caso seja aprovado pelo Senado, que votará no dia 8 de agosto.

Em reposta, dada nesta terça, 10, o chefe de gabinete, Marcos Peña, destacou as palavras de Macri, afirmando que “o presidente deixou claro que sua convicção sobre a importância de um debate republicano implica em respeitar o resultado desse acordo e não vetar a lei”. O projeto, que visa à legalização do aborto até a 14ª semana de gestação, foi proposto pelo próprio presidente e já foi aprovado na Câmara de Deputados.

Casos semelhantes já aconteceram em outros países, como o Uruguai. Em 2008, o presidente local, Tabaré Vásquez, acabou cedendo a pressão da ala direitista e vetou o projeto. Todavia a pressão popular pelos direitos das mulheres venceu e o aborto se tornou uma prática legal em 2012.

A realização de um procedimento abortivo, de foma segura, com assistência médica e psicológica, além de infraestrutura adequada, é um direito que não deveria ser negado a nenhuma mulher. Em países da América Latina, como Cuba, a prática é legal. Já em outros, como El Salvador, a repressão contra as mulheres, nesse sentido, é forte, sendo proibido, indiferente a circunstância. Já no Brasil, pode ser realizado em casos de má formação fetal, risco à mãe ou estupro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas