Quem poderia imaginar?
Pandemia está muito pior do que o anunciado pela burguesia golpista no lançamento da política de reabertura total. Dados mostram catástrofe ainda maior que está por vir.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
063-1230267261
O reino da fraude e da subnotificação. | Go Nakamura/Getty Images North
063-1230267261
O reino da fraude e da subnotificação. | Go Nakamura/Getty Images North

O período eleitoral brasileiro revelou uma postura ainda mais cínica da burguesia frente a pandemia do novo coronavírus. Após uma intensa campanha pelo fique em casa, enquanto os trabalhadores continuavam nas ruas, a pandemia simplesmente “acabou”, quando as eleições e a campanha pela reabertura iniciou.

Nos meses de novembro e dezembro, o período de campanha eleitoral, tornou-se uma maneira da burguesia manobrar frente aos números da pandemia. Estados como São Paulo, deixaram de em mais de uma situação divulgar os números diários de casos e mortes. Enquanto a burguesia fraudava descaradamente os resultados, o processo eleitoral caminhava “tranquilo” com uma intensa campanha nas ruas dos candidatos burgueses.

Apenas no dia da votação, que revelou-se, enquanto todo o foco da população concentrava-se nos resultados eleitorais, de que a pandemia estava naquele momento, em um grau muito mais elevado do que o imaginado.

Agora, com a virada de ano, novos dados sobre todo este último período foram revelados. E “de repente” os dados apurados pelo consórcio de veículos de imprensa junto às secretarias de Saúde brasileiras, declararam que o país sofreu de um aumento de 64,45% de mortes entre os meses de novembro para dezembro. Enquanto novembro, antes das eleições, houveram 13.263 mortos, o mês de dezembro totalizou 21.811.

Mesmo antes de chegar ao seu fim, o mês de dezembro tornou-se aquele com maior número de mortes desde setembro. E o primeiro caso, desde julho, no qual a quantidade de mortes em um mês é maior do que o mês anterior. Foi também no mês de dezembro, após as eleições, que a burguesia revelou que muitos locais do país ultrapassavam as marcas daquilo que havia sido o “pico” da pandemia.

Estados, como o Mato Grosso do Sul, tiveram o maior número de mortes desde o inicio da pandemia. Enquanto outros três estados (Pará, Sergipe e Alagoas) tiveram uma tendência de alta nas mortes.

Especialistas, revelam que as mortes computadas no mês de dezembro ainda são a “ponta do iceberg” de toda uma nova onda da pandemia no país. O crescimento do casos ainda pode piorar consideravelmente com a chegada da nova mutação do Covid-19 no Brasil, da qual tem uma taxa de transmissão 70% maior do que aquela que o país enfrentou no último período.

Após este alto contagio, a previsão é que o número de mortes aumente exponencialmente, sobretudo após a intensa política de reabertura, que ainda prevê para os meses de fevereiro e março, aulas presenciais e a não existência da vacina para o povo brasileiro.

Todos estes fatores, revelam em primeiro lugar que os dados sobre a pandemia brasileira são completamente fraudados. A subnotificação é tão grande, que especialistas indicam que enquanto o país atingia a marca oficial de 190 mil mortos, na realidade, 220 mil pessoas já haviam morrido pela doença.

Os golpistas tentam a todo custo fraudar a divulgação de dados e controla-la o máximo possível, podendo assim justificar sua intensa campanha pela reabertura em todo território nacional. Com o “fim” da pandemia, reabrir a economia torna-se muito mais fácil. Contudo, como ela está muito longe de terminar, a burguesia busca forçar o povo a se contaminar, para assim manter seus lucros em meio a uma intensa crise.

O “mistério” em torno do aumento das mortes é assim completamente revelado. O que há é uma intensa campanha genocida da burguesia contra o povo brasileiro. A própria questão da vacina, que seria uma grande conquista para a população, tornou-se puramente foco da especulação financeira, e da luta econômica entre setores da burguesia, na qual, nenhum deles está interessado em salvar a população, mas sim, enriquecer em cima da crise.

Graças a isso, a postura covarde de todo um setor da esquerda pequeno-burguesa em torno da aliança com a burguesia golpista, a chamada política de frente ampla, tornou-se uma importante maneira de continua legitimando esta política assassina dos golpistas. A pandemia deve ser colocada como responsabilidade do regime golpista, e não dos trabalhadores. A burguesia ao não se antever e conseguir controlar a pandemia, demonstra estar afundada em uma profunda crise, na qual envolve todo o sistema capitalista.

Por isso, é necessário que a esquerda, as organizações de trabalhadores, adotem uma política própria de intervenção, capaz assim de mobilizar a população. Derrotar o golpe, é o primeiro passo para adotar uma politica séria de combate a pandemia.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas