Protestos se espalham
As antes “pacatas” cidades norte-americanas, do dia para a noite, foram tomadas pela revolta popular
protestos_eua
Manifestantes bloqueando uma rodovia em Oakland, Califórnia | Josh Edelson / Agence France-Presse - Getty Images

Os protestos pelo assassinato de George Floyd nos EUA se intensificam e se espalham pelo país.

Cinicamente a impressa burguesa tenta tratar o caos social nos EUA como se fosse um caso de racismo, como o é de fato, mas não apenas, já que a opressão da classe dominante se dá contra a classe trabalhadora como um todo, por meio do ataque mais brutal àquelas massas que foram escravizadas no passado da colonização.

A covardia, a brutalidade e a indiferença com que George Floyd foi assassinado chocaram a comunidade negra. Foi como um gatilho para a insatisfação geral contra a repressão e a crise econômica na qual os EUA estão mergulhados.

As antes “pacatas” cidades norte-americanas foram tomadas, do dia para a noite, pela revolta popular.

Em quase todas as capitais dos Estados ocorreram protestos.

Indianapolis:  Uma pessoa foi morta e outras três ficaram feridas quando um homem atirou em um protesto.

Chicago: manifestantes atearam fogo às empresas, golpearam martelos e pás e jogaram urina na polícia. Seis pessoas foram baleadas e uma foi morta durante protestos no sábado à noite.

Dallas: Protestos no centro da cidade.

Los Angeles:  Foi emitido um toque de recolher e o governador ativou a Guarda Nacional. Os manifestantes entraram em conflito com a polícia durante a noite. Lojas foram saqueadas e os bombeiros tiveram de ser acionados.

São Francisco:  Toque de recolher foi decretado enquanto os manifestantes marchavam pela região. Muitas empresas foram saqueadas na área da baía e um incêndio foi causado em um shopping.

Flórida: Decretado toque de recolher em toda a cidade, carros da polícia e outros veículos foram incendiados perto da sede do Departamento de Polícia de Miami. Em Jacksonville, um policial foi esfaqueado. Na área de Tampa Bay, algumas lojas foram saqueadas ou incendiadas durante a noite.

Washington, DC: A Guarda Nacional foi destacada do lado de fora da Casa Branca, onde multidões entraram em confronto com o Serviço Secreto e atacaram um repórter da Fox News. Incêndios foram realizados nas proximidades do Lafayette Park.

Filadélfia: Pelo menos 13 policiais ficaram feridos quando manifestantes atearam fogo a carros, quebraram janelas na prefeitura e saquearam lojas no centro da cidade.

Nova Iorque: Milhares de manifestantes entraram em conflito com a polícia em todos os cinco distritos no sábado. No início da manhã de domingo, mais de 345 pessoas foram presas, 33 policiais ficaram feridos e 47 veículos da polícia foram danificados ou destruídos, vários deles incendiados. Mais de uma dúzia de lojas na Baixa Manhattan foram saqueadas.

Atlanta: 1.500 soldados da Guarda Nacional foram enviados para a cidade. A polícia disparou gás lacrimogêneo e prendeu mais de 50 manifestantes.

Nashville: Soldados foram enviados para a cidade depois que surgiram distúrbios.

Oklahoma: Alguns dos manifestantes marcharam para a sede da polícia a partir do marco do Gold Dome quebraram as vitrines das lojas e destruiram veículos da polícia. A polícia disparou balas de borracha e gás lacrimogêneo. Um viatura policial foi incendiada.

Seattle: O toque de recolher foi decretado em toda a cidade, a polícia passou horas usando gás lacrimogêneo e violência contra os manifestantes no centro de varejo da cidade, carros foram incendiados e vitrines de dezenas de lojas foram quebradas.

Richmond: Dois policiais no Capitólio do Estado foram hospitalizados com ferimentos nas pernas depois de serem atingidos por um taco de beisebol e uma garrafa de cerveja. Antes, a polícia disparou gás lacrimogêneo contra manifestantes, alguns dos quais acionaram fogos de artifício e quebraram janelas.

Esses são apenas alguns dos relatos da revolta popular que se inicia nos Estados Unidos, capital do imperialismo mundial, revoltas como essa tendem a se espalhar pelo mundo na medida que a crise capitalista se intensifica. São um presságio que não deve ser ignorado pela classe trabalhadora e as massas oprimidas de todos os países. É preciso seguir o caminho que leva à revolta e à vitória contra a direita, o fascismo e o maior inimigo da humanidade, o imperialismo norte-americano.

Relacionadas
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments