Fascismo
Governador golpista Ratinho Júnior é um grande entusiasta da política de extrema-direita nas escolas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
escolamilitar
Custam três vezes mais do que escolas regulares | Foto: Reprodução.

O governador golpista do Paraná, Ratinho Júnior (PSD) é um dos direitistas mais entusiasmados com a política fascista das escolas militares: em decreto publicado no Diário Oficial do Estado de 27 de novembro ele convocou 806 policiais aposentados a integrar o Corpo de Militares Estaduais Inativos Voluntários para atuarem no programa Colégios Cívico-Militares.

Um projeto da extrema-direita

Sancionado em 20 de outubro de 2020, o projeto paranaense alinhou-se às diretrizes básicas do Ministério da Educação, que, em setembro de 2019, na gestão do ex-ministro golpista, o lunático Abraham Weintraub, lançou, em parceria com o Ministério da Defesa, as bases para a militarização de centenas de escolas públicas do Ensino Fundamental e Médio. No Paraná, em 2021, serão 215 escolas públicas, em 117 municípios.

O fascista do PSD enviou o projeto à Assembleia Legislativa em regime de urgência, sem qualquer discussão em audiências públicas ou debates com a população. Aprovado, foi transformado em lei e publicado no Diário Oficial de 23 de outubro. Quatro dias depois, iniciou-se a consulta dos responsáveis pelos alunos, prevista em lei para durar dois dias, ou seja, 48 horas.

Uma ditadura aberta que está aumentando nos estados do país

No modelo cívico-militar, não haverá mais eleição para a escolha dos diretores, o que na prática já estabelece uma verdadeira ditadura nas escolas. O organograma das escolas prevê um diretor-geral e um diretor-auxiliar, ambos servidores públicos indicados pela Secretaria de Educação.

A novidade é a inclusão de um militar para a atribuição de diretor cívico-militar, assessorado “por dois (…) até o limite de quatro militares para a função de monitores”. Conforme prevê o Capítulo IV da Lei, “o diretor cívico-militar exercerá a gestão na área de infraestrutura, patrimônio, finanças, segurança, disciplina e atividades cívico-militares”.

O projeto do governo federal prevê, segundo o MEC, implantar 215 escolas, em todo o País, até 2023.

Escolas militares custam três vezes mais do que escolas regulares

Estas instituições são mantidas com verbas do Ministério da Defesa e têm autonomia para montar o currículo e a estrutura pedagógica. São R$19 mil por estudante. Cada aluno de colégio militar custa ao País três vezes mais do que quem estuda em escola pública regular.

O setor público investe, em média, R$ 6 mil por estudante do ensino básico anualmente. Está mais do que evidente que se não se trata da disciplina fascista mas dos investimentos governamentais.

Modelo expõe o fascismo no regime

A questão central do colégio militar é o caráter ditatorial da escola, do regime dos militares sobre o corpo de professores, que são selecionados baseados em sua afinidade com a ideologia barata da direita militar, e a completa falta de voz dos estudantes perante esta instituição, que ridiculamente se intitula como o melhor centro de educação que a educação publica pode oferecer uma grande piada.

Ao invés de cair na propaganda da imprensa burguesa, a comunidade escolar deve lutar contra a politica fascista nas escolas e pelos investimento na educação pública. É necessário que os estudantes se mobilizem contra o avanço do fascismo no espaço escolar. A mobilização se demonstra ser a saída mais acertada para acabar com a extrema-direita.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas