Crise na burguesia
Enquanto O Globo defende manter Bolsonaro, o Estadão defende a posição dos governadores que romperam com Bolsonaro e chama o povo a fazer o mesmo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ditadura-e-bolsonaro
Marcos Correa/PR |

A crise de saúde no Brasil se aprofunda a medida que o coronavírus já matou dezenas de pessoas, infectou milhares e ameaça dezenas de milhões de brasileiros. Em paralelo, o governo ilegítimo de Bolsonaro perde totalmente o apoio da sua própria base de direitista, o que se expressa na divisão dos militares, setor fundamental do bolsonarismo, através da divergência dentro da própria imprensa burguesa.

De um lado o Valor/Globo, traz uma coluna com uma hipótese do porquê Bolsonaro ainda não foi substituído.

Se contorná-lo já não basta, ainda não se sabe como será possível tirá-lo do caminho e, mais ainda, que rumo dar ao poder em tempos de pandemia. A seguir a cartilha do presidiário Eduardo Cunha, seu afastamento apenas se dará quando se encontrar esta solução. E esta não se resume a Hamilton Mourão.”

A matéria ainda cita que “duas horas antes do pronunciamento presidencial, o exército colocou em suas redes sociais o vídeo do comandante Edson Leal Pujol mostrando que a farda hoje está a serviço da mobilização nacional contra o coronavírus”.

Ainda que Bolsonaro hoje não tenha nem 10% dos votos em plenário, um processo de impeachment ainda é de difícil viabilidade.” Com essa alegação o jornal passa a discutir uma possível renúncia de Bolsonaro. “Quem teria hoje autoridade para convencer o presidente? … generais envolvidos na intervenção do Rio, PhDs em milícia.” e conclui “a única razão para se continuar nesta pedreira é que, por ora, não há outra saída.” (Valor/Globo – Coluna de Maria Cristina Fernandes. 26/03/2020)

Se o Valor/Globo, traz uma hipótese do porquê manter Bolsonaro na coluna “A Carta da Renúncia”, o Estadão, em seu editorial desta quinta (26) “A brutalização da verdade”, defende a posição dos governadores que romperam com Bolsonaro e chama o povo a fazer o mesmo.

A matéria começa com o jornal alertando aos leitores que o presidente ilegítimo passou a ser uma ameaça “…sob o argumento de que é preciso reativar a economia, incitou os cidadãos a romper a quarentena e voltar à ‘normalidade’ – contrariando as recomendações de especialistas de todo o mundo e do próprio Ministério da Saúde. Ao fazê-lo, o presidente passou a ser, ele mesmo, uma ameaça à saúde pública.”

Em seguida o jornal destaca as características fascistas de Bolsonaro:

Bolsonaro usa a epidemia de covid-19, cujas dimensões e letalidade ainda são desconhecidas e que tanta aflição tem causado ao País e ao mundo, para alimentar seu inconfessável projeto de poder – cuja natureza cesarista já deveria ter ficado clara para todos desde o momento em que o admirador confesso de notórios torturadores do regime militar se tornou presidente da República.” (Estadão – Editorial 26/03/2020)

E por fim reforça o rompimento dos governadores com Bolsonaro, citando os governadores fascistas João Doria (PSDB-SP) e Ronaldo Caiado (DEM-GO).

Em reunião virtual dos governadores do Sudeste com Bolsonaro, João Doria, de São Paulo, disse lamentar o pronunciamento do presidente, queixou-se da descoordenação do governo federal e declarou que ‘a prioridade é salvar vidas’ – ao que Bolsonaro, que jamais desceu do palanque, respondeu: ‘Saia do palanque’… As decisões do presidente da República em relação ao coronavírus não alcançarão o Estado de Goiás”, informou o governador goiano, Ronaldo Caiado, no que certamente será seguido por seus pares. Ou seja, o presidente Bolsonaro será olimpicamente ignorado pelos governadores. O resto dos brasileiros deveria fazer o mesmo.” (Estadão – Editorial 26/03/2020)

Valor/Globo e Estadão são jornais burgueses, entre os maiores do país, que expressam interesses de setores da burguesia brasileira. Unificaram-se em vários momentos, sobretudo no golpe de Estado de 2016 para derrubar o governo de Dilma Roussef, do Partido dos Trabalhadores (PT).

Cada um representa setores da burguesia. A burguesia controla o Estado capitalista, que tem como seus últimos guardiões os militares. Portanto, este episódio de divergência entre ambos, num momento crítico como o atual, não é por acaso, mas sim uma expressão da falta de unidade entre os militares para a derrubada de Bolsonaro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas