Espanha: um golpe em marcha
Uma herança maldita do terror. A Espanha depois que saiu da ditadura continuou mantendo as mesmas estruturas do franquismo, principalmente as leis e a força de repressão.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
eleicoes-espanha-vox
O flerte da milícia, extrema-direita e as Forças Armadas são os ingredientes do golpe de Estado | Foto: Reprodução

Uma herança maldita do terror. A Espanha depois que saiu da ditadura continuou mantendo as mesmas estruturas do franquismo, principalmente as leis e a força de repressão.

Uma tensão crescente. Um vídeo de pouco mais de meio minuto reflete perfeitamente a atual situação de conflito na Espanha e o problema estrutural existente nos órgãos policiais e militares: eles são dominados e formados, em sua maioria, por extrema-direita.

Uma provocação e uma ameaça aberta. O vídeo, de baixa qualidade, começa mostrando as fotografias de vários membros do governo espanhol sobre diferentes alvos: Pablo Echenique, Pedro Sánchez, Irene Montero, Pablo Iglesias e Fernando Grande-Marlaska.

A intimidação prossegue. Momentos depois, uma voz é ouvida afirmando “sentença”, e um atirador aparece que atinge os alvos, um por um. Logo depois, foi confirmado que ele era um ex-militar cujo irmão pertence à Guarda Civil.

Trata-se de ultimatum, a busca de rendição do governo, a busca a capitulação sem luta de uma esquerda até agora paralisada. É um episódio ultra-relacionado com os militares e policiais, não tão incomum quanto se deduz da ausência na grande mídia do episódio, com a predominância da extrema direita nas forças armadas e na polícia espanhola.

A coisa tem um acumulado, vem de mais longe. Um dos principais líderes de extrema-direita, Ortega Smith, apareceu há alguns meses, em fevereiro de 2020, atirando em instalações militares e afirmando, depois de verificar o alvo: “Este é um filho da puta do Daesh”.

O flerte da extrema-direita e as Forças Armadas são inúmeros – de hinos a fotografias e atos promocionais – esse amor é também correspondido pela milícia. Saltou aos olhos também que, foi demonstrado que nessas seções eleitorais onde há quartéis , os resultados em favor da extrema direita disparam. Impossível ser casual.

O caldeirão do Golpe já reúne todos os ingredientes. Os antecedentes dos últimos meses deixam pouco espaço para dúvidas: deputados da Vox e eurodeputados pedindo um golpe, Javier Ortega Smith atirando em delegacias militares e um coronel da Guarda Civil com um passado pró-Franco, Diego Pérez de los Cobos, demitido. Soma-se a isso, a renúncia de outros dois comandantes militares de alto escalão – pela preparação de um relatório falacioso e alinhado com as teses da extrema direita.

O Golpe de Estado em Espanha já mostra suas garras. Verdade seja dita os militares de Espanha respondem diretamente ao imperialismo. A mistura explosiva de militares, fascistas e milícia é a nova receita do imperialismo presente, inclusive no Brasil de Bolsonaro. É preciso debandar o golpe de Estado.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas