Militares atiram contra carro de trabalhador no Rio. É para isso que serve a intervenção!

Soldados das Forças Armadas durante operação no Rio de Janeiro

Um pescador do Rio de Janeiro teve seu carro metralhado quando seguia para o Complexo de Salgueiro em São Gonçalo. No carro estavam o pescador Ruan de Souza, de 23 anos, o seu filho de 2 anos e sua esposa. Os mais de 30 tiros de metralhadora vieram de militares que cercaram o veículo nas proximidades da comunidade. No interior do carro encontravam-se materiais de trabalho de Ruan.

O pescador foi baleado, levado ao hospital e liberado, seu filho de 2 anos de idade também ficou ferido por estilhaços dos tiros. Os militares continuaram efetuando disparos contra o carro mesmo depois do pescador gritar que era morador da comunidade.

O caso é mais um exemplo da ação dos militares nas comunidades carioca. A intervenção das forças armada na “cidade maravilhosa” não tem relação nenhuma com o aumento da segurança, trata-se de uma operação cujo objetivo é reprimir o povo pobre e trabalhador que mora na periferia do Rio de Janeiro, instalando um regime de terror, preparando o terreno para um golpe e uma verdadeira ditadura militar.

É necessário, portanto, exigir a imediata saída das tropas das comunidades cariocas e mobilizar o povo pelo fim da intervenção militar no Rio de Janeiro.