Educação superior
Nos meses de maio e junho, 265 mil alunos abandonaram a graduação no país; estima-se que 11% dos estudantes vão terminar o ano inadimplentes
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
volta-as-aulas-sala-de-aula-brasil-1593010549215_v2_1183x887
Sala de aula vazia | Foto: Rodolfo Santos/Getty Images/iStockphoto

Um levantamento feito pela entidade sindical patronal que representa as universidades privadas, a Semesp, mostra que 265 mil alunos do ensino superior nas universidades privadas abandonaram a graduação ou trancaram a matrícula entre os meses de abril e maio deste ano.

A evasão foi 35% maior do que a registrada no mesmo período de 2019. Estima-se que 11% dos estudantes vão terminar o ano inadimplentes, com pelo menos uma parcela atrasada.

O abandono dos cursos de graduação pela juventude é reflexo da catástrofe social que se abate sobre o país. A situação já era extremamente difícil antes da pandemia do Covid-19, em especial desde o golpe de Estado de 2016. A doença representa uma aceleração da crise econômica e aprofundamento do desemprego, o que inviabilizam que as pessoas deem continuidade aos seus estudos.

O bloco político da extrema-direita golpista que controla o Estado tem se dedicado a salvar os bancos e grandes capitalistas neste contexto da pandemia, enquanto a população se afunda na miséria e experimenta agudo rebaixamento das condições de vida e falta de perspectivas de presente e futuro. A situação do conjunto dos estudantes é análoga à situação dos países que têm muito menos recursos que o Brasil.

A decisão de abandonar a graduação está estreitamente relacionada com o desemprego. Com a paralisação e o declínio econômicos, que se manifestam em uma retração de cerca de 10% do PIB,  o pagamento de parcelas de um curso superior torna-se inviável para a esmagadora maioria da população.

Segundo dados do Censo da Educação Superior do ano de 2018, as universidades privadas detém 75,4% das matrículas na graduação do país, no total de 6,3 milhões.

Uma pesquisa feita pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) mostrou que o motivo do abandono da graduação por 82% dos estudantes no mês de junho se deve à perda da renda.

A própria SEMESP aponta que as leis propostas e aprovadas pelo governo Jair Bolsonaro, que permitem a redução de salários e facilitam as demissões, são as responsáveis pela evasão e queda nas matrículas. A procura por cursos de graduação se reduziu drasticamente.

O governo Jair Bolsonaro é um fator de aprofundamento da crise. Como este se recusa a tomar medidas para combater a pandemia do coronavírus e propõe somente uma migalha de R$600,00 para a população, a situação dos estudantes e trabalhadores piora a cada dia. Em diversas ocasiões, elementos bolsonaristas deixaram claro que estudo deve ser um privilégio para quem puder pagar. Isto é, o povo brasileiro não deve ter direito a estudar, nem mesmo nas universidades privadas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas