Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
manifestacao-pro-bolsonaro-em-sp-26052019180722876
|

Em artigo publicado no seu blog pessoal, Miguel do Rosário diz que “é um erro desqualificar as manifestações pró-Bolsonaro”. Ele critica a esquerda que disse que os coxinhatos foram um fracasso.

Embora não considere que foram atos grandes, o editor de O Cafezinho acredita que são perigosos. Isso porque atrairiam um setor da população mais despolitizado e mesmo da classe trabalhadora. O que não é verdade: o que vimos no último domingo foram pequenos atos claramente compostos pela classe média e promovidos pela burguesia, com poucas probabilidades de atraírem outros setores fora do núcleo duro do bolsonarismo. Segundo o jornalista, os atos podem influenciar eleitores do “centrão”, pois estes estão mais próximos de Bolsonaro do que da esquerda. Mas o “centrão” está esvaziado eleitoralmente, uma parte de seus eleitores já passou para o lado de Bolsonaro, outra parte para o lado da esquerda. E a parte que passou para o lado bolsonarista já está abandonando o barco porque está insatisfeita com o governo. Os atos mostraram que Bolsonaro tem apoio “popular” apenas dos fascistas mais convictos e seu fracasso desanimou a maioria dos que ainda poderiam aderir ao bolsonarismo.

Rosário defende também que os atos bolsonaristas serviram para a suposta propaganda da extrema-direita de que há uma polarização ideológica. “Outra vitória de Bolsonaro é impor às ruas a narrativa da polarização ideológica”, escreve. Mas, para ele, a esquerda erra ao falar do fracasso dos atos fascistas, porque “é um discurso que gera mais polarização e mais ódio”.

Então, descrever a realidade significa acentuar a polarização política. Seria preciso esconder a realidade e amenizar, conter, acabar com a polarização, de acordo com o pensamento do articulista. Sem polarização política, os trabalhadores voltariam para uma posição de certa inércia e a direita poderia governar com maior tranquilidade, impondo a mesma política exploradora que está tentando implementar, e que só está encontrando dificuldades devido à polarização, que movimenta os trabalhadores para a luta.

Segundo ele, os grandes atos do dia 15 eram focados na educação, por isso atraíram uma “quantidade maior de gente do que a militância ideológica”. Ainda que admita que as exigências pela liberdade de Lula tenham tido peso, Miguel do Rosário tenta jogar para escanteio esse que é um dos eixos fundamentais da luta popular na etapa atual.

Assim como uma parcela da esquerda pequeno-burguesa, ele defende que as organizações de esquerda não estejam presentes com suas bandeiras e faixas nos atos de massa. Ou seja, quer despolitizar os atos, mesmo eles sendo essencialmente políticos e contra a direita, atos diretamente contrários ao governo Bolsonaro. Isso, para não perder apoio dos manifestantes, segundo ele.

“Neste sentido, é que as legendas poderiam, às vezes, ter o bom senso de substituir bandeiras partidárias divisivas, que não querem dizer muita coisa para quem as vê na televisão ou ao vivo, por outras que ofereçam mensagens objetivas e unificantes, como ‘em prol da educação pública’”, comenta.

Isso porque os partidos de esquerda participam das manifestações como as da educação para “tirar-lhes o sentido”. “Os partidos de esquerda e as centrais não defendem a educação pública? Então empunhem, de preferência, bandeiras em prol da educação pública! O resultado objetivo, em termos de conquista da opinião pública, é muito mais eficaz!”

Miguel do Rosário, assim, propõe que a esquerda é minoritária e precisa ganhar apoio de outros setores, porque a presença de suas bandeira “divide” o movimento. Obviamente, a esquerda precisa ganhar os trabalhadores e estudantes, mas isso se faz com uma política clara de organização, politização, esclarecimento de posições políticas, o que se realiza, principalmente, pela presença de bandeiras nos atos. Senão, a esquerda abriria espaço para a direita tomar de assalto esses atos, como fez em 2013, justamente com a pressão para abaixar as bandeiras – o que levou a maior parte dos grupos esquerdistas a capitularem a essa política reacionária. Ao contrário de desenvolver a consciência política dos manifestantes e do povo, ele propõe mesmo rebaixar essa consciência, despolitizando o movimento.

Essa posição confusa e direitista de Rosário é expressa no seguinte parágrafo:

Quanto às manifestações do próximo dia 30, precisamos tomar cuidado para não cair nas armadilhas e provocações do governo. As pautas devem continuar focadas na educação e na oposição a uma reforma da previdência que prejudique a população mais pobre. A presença de lideranças partidárias e políticas deveria ser cuidadosa, porque o objetivo não é agradar a militância dos partidos, mas atrair a grande massa desorganizada, inclusive (eu diria até: principalmente) uma parte daqueles que votaram  em Bolsonaro, e que formam a maioria esmagadora da população brasileira.

Ou seja, ele quer manifestações desorganizadas, sem a esquerda para organizá-las. E as pautas devem ser extremamente reduzidas, pontuais. Dessa forma, existe grande possibilidade de, na realidade, diminuir e simplesmente acabar com a mobilização. O povo já demonstrou que está completamente insatisfeito e indignado com Bolsonaro. Nos atos do dia 15 a presença do lema Fora Bolsonaro foi muito forte. Portanto, a tendência do movimento popular é lutar pela derrubada de Bolsonaro, e resumir as pautas apenas à educação ou à previdência seria esvaziar todo esse movimento, favorecendo o governo e a direita de conjunto.

Bolsonaro hoje é presidente da república, eleito com 57 milhões de votos. E a economia vai mal, muito mal. O caminho mais inteligente para pressionar o governo, e mantê-lo suficientemente acuado, para que não consiga levar adiante suas pautas mais agressivamente antipopulares, é pôr em evidência as questões econômicas e sociais, e cobrar soluções e projetos.

Com essa frase, o blogueiro demonstra por que não quer atos minimamente radicais contra Bolsonaro e por que quer o fim da polarização. Com a desculpa absolutamente enganosa de que o presidente fascista é popular, ele tenta justificar que o melhor caminho é uma “oposição propositiva” ao governo de extrema-direita, ou seja, na prática uma sustentação para manter o governo golpista de pé.

As críticas de Rosário são, nominalmente, ao PT e à CUT, as duas principais organizações da esquerda brasileira. Mas o que está por trás dessa tentativa de argumentar pelo afastamento desses agrupamentos das manifestações? Ora, esse posicionamento de manter o governo de pé com uma oposição moderada, auxiliar, já indica a resposta: a defesa da mesma política que Ciro Gomes, que quer justamente substituir o PT na oposição e facilitar a manutenção do regime golpista.

Ele expressa nitidamente a política do abutre do PDT, de sustentar o governo Bolsonaro, e de agir pela via institucional para que a esquerda golpista chegue eventualmente ao poder como sucessora de Bolsonaro, para evitar o crescimento do movimento popular. Conclui:

Com alguma inteligência, além de muita estratégia, autocrítica e prudência, conseguiremos galvanizar uma massa crítica crescente, o que poderá resultar em vitórias políticas e eleitorais em 2020 e 2022 para o campo progressista, enterrando de vez esse capítulo negro da nossa história, que é o governo de Jair Bolsonaro.

Em resumo, mais uma vez O Cafezinho comprova que não passa de um folhetim de Ciro Gomes, propagando sua política para manter Bolsonaro no poder, desarticular o movimento popular e conquistar espaço na “oposição”.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas