Mais lucro para os bancos
Municípios mineiros podem vender o que não têm
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
almg
Assembléia Legislativa de Minas Gerais |

Os bancos estão conseguindo fazer mais um bom negócio, agora com os Estados. Minas Gerais é um dos que saem na frente. Foi aprovado pela Assembleia Legislativa o Projeto de Lei 636/2019, que autoriza os municípios mineiros a venderem para bancos privados, os créditos que tenham a receber das Unidades da Federação.

A retórica por trás da operação é sedutora. “Pobres municípios”, estrangulados, falidos, ávidos para receber repasses estatais que não chegam nunca, podem agora vender estes créditos a receber por “dinheiro à vista.” Parece que ganharam na loteria!

Mas a realidade é muito diferente. O projeto de Lei é uma forma de privatizar os nossos impostos. Funciona da seguinte maneira: os municípios têm direito a receber parte da arrecadação de impostos estaduais (ICMS, IPVA etc). Estes repasses obedecem a certos calendários, alguns são parcelados em 30 meses etc. Então o município faz acordo com um banco privado para vender estes créditos e receber do banco à vista. O município cria uma “sociedade para fins específicos”, cuja finalidade é basicamente abrir uma conta bancária por onde a transação acontecerá. O Estado não repassará mais o imposto para o município, mas diretamente para a conta aberta no banco privado.

Esta engenharia financeira retira dos órgãos de controle considerável poder de fiscalização sobre a negociação entre gestor municipal e banco privado, e nem sobre o direcionamento dos recursos recebidos. A Lei não especifica as condições deste acordo (por exemplo, Belo Horizonte trocou o créditos de R$800 milhões + IPCA + 1% ao mês por um recebimento à vista de R$200 milhões). Não se determina que a “sociedade para fins específicos” deva direcionar os recursos para os mesmos fins determinados pelo orçamento anual do município. Os valores vão para uma conta em banco privado, o que dificulta a auditoria.

Enfim, trata-se de mais um golpe dos bancos privados – único setor que não para de lucrar em meio à crise – que visam colocar mais rapidamente a mão nos nossos impostos.

Em nível nacional, tramita em “regime de urgência” (ou seja, para evitar as discussões, estudos, pareceres entre outros), o Projeto de Lei 459/2017, que visa facilitar esse tipo de operação nacionalmente, por todos os estados e municípios.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas