HAMBURGUER_1
SHARE
COMANDO DE GREVE

Não à sabotagem dos atos

Parar tudo!

Ampliar a mobilização e parar 100% o Metrô para derrotar Doria

É preciso impulsionar a perspectiva de luta real, de sair às ruas e enfrentar por meio das armas dos trabalhadores os governos genocida de Doria, Bolsonaro etc.

Metroviários expressam tendência geral de luta – Foto: Reprodução

Com os salários congelados há dois anos – quando o custo de vida já subiu mais de 10%, segundo os índices oficiais, com alta da cesta básica de até 33% somente em 2020 – e com, pelo menos, 26 de trabalhadores da categoria mortos pela covid e centenas de infectados, os metroviários de São Paulo entraram em greve desde a madrugada dessa quarta (19).

Além de negar a recomposição das perdas salariais, a direção do Metrô e o governo tucano de São Paulo querem retirar dos metroviários direitos conquistados como parte de muitas lutas dos trabalhadores em toda a sua existência.

A categoria reivindica reajuste com base na inflação, bem como o pagamento da participação de resultados (PR) dos últimos dois anos, que não foram efetuados pelo Metrô. 

Vai e vem da greve

A paralisação foi parcial nesse primeiro dia e acontece depois de uma série de recuos da direção sindical que aceitou proposta de intermediação do reacionário Ministério Público do Trabalho (MPT) diante da negativa de negociação do Metrô e do governo João Doria. Com isso, o governo não fez outra coisa senão ganhar tempo e procurar conter a tendência de luta da categoria, que tem data base em 1º de maio.

Ajudando o governo a ganhar tempo, o Ministério Público do Trabalho (MPT) formulou uma proposta alternativa, que não foi aceita pelo governo, que – entre outras coisas – previa o mísero reajuste de 9,7% (correspondente à inflação oficial) fosse parcelado em três vezes, começando em maio deste ano, janeiro e maio de 2022; quando já deveria ser fixado outro reajuste, correspondente – pelo menos – à inflação dos próximos 12 meses.

Antes de aprovar a greve, os metroviários rejeitaram proposta da direção da Companhia do Metrô que quer impor o reajuste de 2,61% a partir de janeiro de  2022, que nem mesmo seria  retroativo a 1º de maio. Este índice raquítico seria também aplicado também para os vales refeição e alimentação, fazendo com que os cerca de 9 mil trabalhadores da categoria acumulassem novas perdas. 

A política de enrolação da empresa também prevê que o pagamento da participação de resultados (PR) ocorreria apenas em 31 de janeiro do ano que vem,isso mesmo: em 2022! Além disso, os tucanos querem retirar ou reduzir diversos itens do acordo coletivo, como a gratificação por tempo de serviço e de férias, além do adicional noturno.

Greve prá valer?

Além da política criminosa do governo do PSDB contra os trabalhadores, que atinge todas as estais e o serviço público paulista em geral, a poderosa categoria dos metroviários da maior cidade do País é claramente vítima da vacilação política de suas direções que, pressionadas pela política direitista do “fique em casa” e não lute à qual se submeteu a imensa maioria dos sindicalistas que abriram mão de usar a força da mobilização dos trabalhadores por conta da suposta “guerra contra a pandemia” que, de fato, nunca houve da parte de governos reacionários de João Doria e Jair Bolsonaro, que nada fizeram – além de encenação – para livrar os trabalhadores das consequências da pandemia.

Os setores da esquerda que dirigem o Sindicato dos Metroviários defenderam essa política mesmo com os metroviários (bem como a maioria da classe trabalhadora) saindo todos os dias de casa e se expondo ao risco elevado de contaminação no transporte coletivo, maior centro de aglomeração do País, o que quase sempre é ocultado pela direita golpista e por sua venal imprensa golpista.

Agora mesmo é notória a vacilação que, mais uma vez, ameaça a continuidade e o necessário fortalecimento da greve, com a paralisação total das atividades do Metrô, com declarações de coordenadores do Sindicato da categoria de que se pronunciaram a favor de um possível recuo em troca apenas da não retirada de direitos e da lastimável aceitação do parcelamento do reajuste. 

Generalizar: comandos de base e parar tudo

A greve dos metroviários é mais um claro sintoma da fermentação das tendências de luta que se desenvolvem na classe operária, sendo uma das primeiras categorias operárias que, neste ano, desenvolvem uma greve e mobilizações presenciais, como algumas assembleias por eles realizadas.

É preciso ampliar essa tendência que se expressou de forma mais consciente e organizada no ato de 1º de Maio de Luta, na Praça da Sé, nas mobilizações do dia 13 passado, contra o massacre de Jacarezinho e na aprovação do Dia Nacional de Luta, aprovado pela 3ª Plenária Nacional de Organização das Lutas Populares, com quase 500 participantes, que terá atos de rua em todo o País no próximo dia 29; além do ato convocado para a frente do Congresso Nacional,no dia 26/5.

Embora a direção da categoria tente enquadrar a greve  – como foi feito em outras categoria – como uma “greve sanitária”, com mobilização limitada, ausência de assembleias massivas, passeatas etc., a greve é parte da pressão dos trabalhadores por uma mobilização real, cm greve, nas ruas, única forma de impor uma derrota efetiva à direita e sua ofensiva contra os trabalhadores.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.