Menu da Rede

Região Sul registrou atos em mais de uma centena de cidades

Importantes lições

Metroviários: disposição de luta e freio puxado das direções

A combativa e poderosa categoria dos metroviários da maior cidade do País, após dois anos de salários congelados, não consegue sequer repor as perdas salariais acumuladas

Trabalhadores querem se mobilizar – Foto: Reprodução

Publicidade

Menos de 24 horas após entrar em greve, no último dia 19, os metroviários de São Paulo tiveram sua paralisação encerrada, após votação online (da qual teria participado cerca de um terço da categoria), na qual também se decidiu pela aceitação da proposta do Tribunal Regional do Trabalho (TRT).

A proposta do TRT, segundo divulgado pelo Sindicato da categoria, estabelece 7,79% de reajuste salarial a partir de 1º/5/2021, data-base da categoria, após dois anos sem reajuste, o que sequer repõe a inflação oficial do período (cerca de 9,7%) e fica longe do aumento real do custo de vida no período, quando – por exemplo – o preço da cesta básica, segundo o DIESSE, subiu até 33%.

A categoria também reivindicava o pagamento da participação de resultados (PR) dos últimos dois anos, que não foram efetuados pelo Metrô e o TRT propôs que da 2ª parcela da PR de 2019, fosse feita em 31/1/2022.

Além de sofrer com o arrocho salarial, os metroviários se tornaram alvos da pandemia, com – pelo menos – 26 trabalhadores da categoria mortos pela covid e centenas de infectados.

Nestas condições, por certo, não há o que comemorar.

Se a mobilização conteve a sanha do governo reacionário de João Doria e da direção do Metrô de assaltar ainda mais a categoria, retirando direitos conquistados ao longo de três décadas, o resultado da mobilização (inferior ao de outra categorias com muito menor poder de pressão), evidencia as limitaçòes da política das próprias direções da categoria e do conjunto dos trabalhadores neste momento.

A paralisação, que foi apenas parcial, se deu após uma série de recuos da direção sindical que aceitou proposta de intermediação do reacionário Ministério Público do Trabalho (MPT) diante da negativa de negociação do Metrô e do governo João Doria. Com isso, o governo não fez outra coisa senão ganhar tempo e procurar conter a tendência de luta da categoria, que mostrou uma enorme tendência a realizar uma grande mobilização.

Além da política criminosa do governo do PSDB contra os trabalhadores, a poderosa categoria dos metroviários foi, uma vez mais, vítima da vacilação política de suas direções que, pressionadas pela política direitista do “fique em casa” – que tem Doria como seu principal “patrono”-, a qual significou a paralisia de todo o movimento operário – inclusive, com sindicato fechados, enquanto os trabalhadores saiam para trabalhar e se contaminar – e  levou à ausência de lutas reais, levando a imensa maioria dos sindicalistas à paralisia, a  abrir mão de usar a força da mobilização dos trabalhadores por conta da inexistente “guerra contra a pandemia” que governos como o de Doria, Covas e Bolsonaro, nunca levaram adiante.

As várias alas da esquerda que participam da direção do Sindicato dos Metroviários defenderam essa política mesmo com os metroviários saindo todos os dias de casa e se expor ao risco elevado de contaminação no transporte coletivo.

O fim da greve, sem assembleia, quando no País já se realizam atos com milhares de pessoas nas ruas, se opôs a uma perspectiva de continuidade e o necessário fortalecimento da greve, com a paralisação total das atividades do Metrô, que pudesse levar a uma vitória mais ampla da categoria.

A greve dos metroviários é mais um claro sintoma da fermentação das tendências de luta que se desenvolvem na classe operária, sendo uma das primeiras categorias operárias que, neste ano, desenvolvem uma greve e mobilizações presenciais, como algumas assembleias por eles realizadas.

É preciso ampliar essa tendência que se expressou de forma mais consciente e organizada no ato de 1º de Maio de Luta, na Praça da Sé, nas mobilizações do dia 13 passado, e que apontam para grandes atos de rua no próximo dia 29, superando os estreitos limites da esquerda pequeno burguesa e da burocracia sindical que se recusa a levar os trabalhadores ao necessário enfrentamento com a burguesia golpista e seus governos reacionários, pela conquista – na marra – das reivindicações dos trabalhadores diante da crise.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.