Metrô de São Paulo
Neste dia 23 de julho, a Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) realizou um comunicado aos seus funcionários informando que só iria “pagar 90% dos salários de julho”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
2020-06-26t200246z-1842037349-rc25hh9ig2l7-rtrmadp-3-health-coronavirus-cases-b (1)
25 de junho - Passageiros com máscaras protetoras dentro de vagão do metrô, em São Paulo | Foto: Amanda Perobelli/Reuters

Nesta quinta feira dia 23 de julho, a Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) realizou um comunicado aos seus funcionários informando que só iria “pagar 90% dos salários de julho”. No comunicado, a direção da empresa alega que em função da Pandemia houve uma diminuição da demanda, prejudicando a arrecadação que não seria suficiente para saldar o compromissos financeiros. Informa ainda ter recorrido ao governo do estado de São Paulo sobre a situação.

A nota foi enviada aos funcionários por e-mail e informava que mesmo operando com 35% da demanda de passageiros “conseguiu manter a oferta de trens em até 100%, de acordo com a demanda, e honrou o salários e benefícios dos funcionários integralmente ao longo destes 4 meses”. Quanto aos salários de seus funcionários a companhia afirma que “vai pagar 90% do salário de julho dos funcionários, com o restante sendo pago assim que houver receita”, não especificando prazo o acerto dos 10% devidos.

Na comunicação, o Metrô coloca ainda que afora a queda no faturamento em razão da pandemia, “Esta situação foi gerada pelo repasse, feito pela Secretaria de Planejamento do Estado, inferior às necessidades informadas exaustivamente pelo Metrô”. Procurado o governo do estado de São Paulo alegou apenas que “o Metrô é uma empresa independente”, mesmo o Metrô sendo “uma empresa pública estadual, parte integrante da administração indireta do Estado de São Paulo” conforme seus estatutos, o governo também mencionou que “Estados e municípios esperam apoio federativo para as empresas de transporte”.

O Sindicato dos Metroviários de São Paulo, que estaria no meio de uma negociação para prorrogação do Acordo Coletivo que rescindiu em abril, supostamente foi pego de surpresa e desconhecia o corte salarial. Segundo o jornalista do sindicato Rogério Malaquias “O sindicato só quer a manutenção do Acordo Coletivo que venceu em 30 de abril. Estamos até abrindo mão do reajuste salarial para ter a manutenção de todas as cláusulas do Acordo”, o que denuncia uma posição vergonhosa de renunciar aos reajuste salariais.

O corte de salários e benefícios da categoria é um primeiro passo, com intuito de preparar o caminho para ataques mais agressivos. É certo que após os cortes, se não houver mobilização, logo virão as demissões e terceirizações massivas.

Todos os sinais indicam que a burguesia agindo como uma classe, está preparando as condições para um ataque extensivo e organizado contra a classe operária. Temos que ter certo que essas ações são muito mais profundas que os ataques deferidos até o momento e custarão ainda mais alto a toda a população, fazendo com que o estrago das milhares de demissões, falências de pequenas empresas ocorridos até o momento pareçam pequenos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas