Barrar a ofensiva dos patrões
Os ataques das montadoras, baseado nas medidas aprovadas pelo governo Bolsonaro, mostram que a única forma de reverter as demissões é a greve com ocupação de fábrica
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Metalúrgicos Renault
Metalúrgicos em assembleia em frente a Ranault em São José dos Pinhais-PR | Reprodução: SMC (Sindicato dos Metaúrgicos de Curitiba e Região)

Após Renault e General Motors executarem demissões em massa, desta vez a Volkswagen anunciou que vai demitir até 35% do seu efetivo de trabalho no país, o que significa até 5 mil empregos!

A crise capitalista, potencializada pela pandemia do coronavírus, empurrou os patrões para o desespero. Ao não conseguirem manter suas taxas gigantescas de lucros, lançaram mão de uma nova ofensiva contra os trabalhadores, para aumentar a exploração, através de um sem número de ataques, como demissões, rebaixamento salarial, terceirizações, etc.

Desta forma, as empresas do setor automobilístico, sob o argumento de queda em seus lucros, passaram a tentar reverter acordos coletivos e a fechar ou suspender turnos inteiros de trabalho.

O mais recente ataque neste sentido é o da Volkswagen, que propôs ao sindicato dos metalúrgicos medidas que incluem a “flexibilização” da jornada e dos direitos dos trabalhadores, como corte de salários, redução do valor da PLR (Participação nos Lucros e Resultados) e ainda alterações em benefícios como transporte, alimentação e plano de saúde.

Vale observar que a desculpa para os ataques contra os trabalhadores é a mesma de sempre:

“A Volkswagen do Brasil está em processo de negociação com os sindicatos das fábricas em São Bernardo(SP), Taubaté(SP), São Carlos(SP), e São José dos Pinhais(PR), avaliando em conjunto medidas de flexibilização e revisão de Acordos Coletivos para adequação ao nível atual da produção, com foco na sustentabilidade de suas operações no cenário econômico atual, muito impactado pela pandemia do novo coronavírus.”

É uma forma da multinacional dizer “nós patrões estamos em crise e para manter nossos lucros, vocês vão pagar a conta”. É a mesma postura das demais montadoras, como Renault e GM, que viram na pandemia uma oportunidade para implementar os retrocessos aprovados pelo governo golpista de Bolsonaro através de Medidas Provisórias (MPs) como a 936 (da redução dos salários) e a 927 (da carteira verde e amarela, do negociado sobre o legislado).

Desta forma, utilizando a pandemia como pretexto, os patrões, em crise total, ameaçam os trabalhadores com a demissão em massa e demitem uma parte da força de trabalho, para impor à categoria um regime em que se trabalhe mais, para receber menos.

É como ocorreu na Renault no Paraná, onde os patrões, como forma de retaliar a recusa dos metalúrgicos ao rebaixamento salarial, fecharam o 3º turno, demitindo 747 trabalhadores. A categoria fez uma greve combativa, que se manteve por quase um mês, mas acabou derrotada com um acordo dos patrões com a burocracia sindical (Força Sindical) que impôs:

Corte de Salário: “MP 14020 (Antiga MP 936 de Bolsonaro, que foi convertida em lei com o apoio da Força Sindical.) no máximo seis meses ou 18 dias de trabalho, garantindo 85% do salário bruto do empregado”;

Suspensão de Contratos de Trabalho: “LAY-OFF para toda a fábrica ou setor por até 8 meses com garantia de 85% do salário líquido do empregado”;

Demissões: Através de planos de demissão “voluntária” (PDVs), que inclusive poderão ser aplicados ao readmitidos;

Terceirização: “Poderá discutir com o Sindicato até 175 postos ou cargos por turno a partir de 01/09/22”;

Redução Salarial: “Sofrerá ajuste de 20% para os novos contratados”;

A experiência dos metalúrgicos da Renault tem a chave do problema que ameaça todos os demais companheiros no País. Trata-se de um cabo de guerra. De um lado os trabalhadores, que tentam se manter diante do genocídio imposto pelos golpistas, que já assassinaram mais de 110 mil brasileiros pelo coronavírus e conduzem a economia para atender interesses estrangeiros, com preços cada vez mais caros, perda do poder de compra do salário, etc. Do outro os patrões, que deram o golpe de 2016 e elegeram Bolsonaro justamente para promover esses gigantescos ataques contra os trabalhadores e o povo.

Colocado desta forma, fica claro que quem tiver mais força para puxar o cabo sairá vitorioso. Os patrões tem a força do dinheiro, da coerção econômica, da compra de juízes, parlamentares, governantes, agentes do Estado em geral, bem como a ameaça de demissões, a perseguição aos grevistas, etc. Já os trabalhadores, tem algo que nenhum capitalista no mundo tem: são a maioria na sociedade (e nas fábricas), produzem toda a riqueza que o mundo possui e tem capacidade de controlar a produção, caso estejam organizados.

Portanto, a questão chave é a organização coletiva. É preciso que os metalúrgicos assimilem a experiência dos companheiros da Renault. O que teria ocorrido se a fábrica fosse ocupada e a greve mantida contra o acordo que impôs o programa patronal? O que ocorreria hoje se os metalúrgicos da Volkswagen, da GM, da Renault e de todo o país, travassem uma luta conjunto contra os patrões?

Nenhum direito será mantido, nem conquistado sem a mobilização de todos os metalúrgicos, através de greves com ocupação de fábrica.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas