Desigualdade alarmante
Renda do 1 % mais rico é 34 vezes maior que dos 50 % mais pobres
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
1503580396desemprego (1)
10,4 milhões vivem com R$ 51. Foto: Dado Galdieri/Bloomberg |

A nova Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios Contínua (Pnad) divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) dá conta de que a desigualdade social no Brasil aumentou e alcançou o seu recorde histórico desde que o levantamento começou a ser realizado, em 2012.

De acordo com o estudo, em 2018 metade da população (104 milhões) recebia apenas R$ 413,00 por mês. Isso, considerando todas as fontes de renda. Além disso, 10,4 milhões de brasileiros (o equivalente a 5% da população) tentava sobreviver com escandalosos e dignos de revolta R$ 51,00. Os 30% mais pobres do País – 60,4 milhões de pessoas – tinham uma renda média individual de míseros e vergonhosos R$ 269,00.

Algo para desencadear uma revolta geral dos explorados. Enquanto isso, o 1% mais rico da população (2,1 milhões de pessoas) – conta com uma renda média de R$ 16.297,00 (estando a pequena-burguesia inclusa nessa faixa). Assim, o 1% mais rico (que não inclui apenas a burguesia) ganhava quase 40 vezes mais do que os 50% mais pobres, metade da população.

Essa desigualdade aumentada tem relação direta com o golpe de Estado e a situação calamitosa que na qual a direita jogou o Brasil. De 2017 para 2018, a renda per capita dos 5% mais pobres sofreu uma queda de 3,8%, enquanto a dos 1% mais ricos aumentou 8,2%. Como diz a música “Xibom Bombom”, “o rico cada vez fica mais rico e o pobre cada vez fica mais pobre”. É exatamente isso: os governos da direita, ainda mais em uma conjuntura de crise capitalista mundial, são impostos pela burguesia para que o de cima suba e o de baixo desça – parafraseando a mesma música.

Como exemplo a ser citado, até mesmo pela própria agência de notícias do IBGE, estão os programas sociais do governo do PT, que têm sido sistematicamente atacados e destruídos por Temer e agora por Bolsonaro. O Bolsa Família atendia 15,9% de domicílios em 2012 e, em 2018, passou a atender somente 13,7%.

Essa é a exata política da direita, atendendo ao objetivo da burguesia e do imperialismo de saquear o País, destruindo todos os direitos da classe trabalhadora, incluindo seu direito a um salário digno (coisa que os brasileiros nunca tiveram). De acordo com o próprio Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o salário mínimo deveria ser de cerca de R$ 5.000,00. Entretanto, como mostrou a última Pnad, metade da população recebe menos da metade do salário mínimo atual que já é absurdamente risível, de R$ 998,00.

O capitalismo em fase de total degeneração suga o fruto do trabalho, os direitos e a vida da classe operária, um sistema voltado cada vez mais para salvar os lucros da burguesia em decadência por meio da força. Por isso o imperialismo instalou no poder no Brasil o fascista Jair Bolsonaro, cuja missão é levar a fome e a miséria a todo o povo brasileiro, diminuindo cada vez mais seu salário, sua renda e todos os seus direitos, para entregar o País de bandeja para seus patrões, os grandes monopólios internacionais.

Contra o absurdo que é um trabalhador ganhar R$ 51,00 por mês, ou mesmo R$ 269,00 ou mesmo R$ 413,00… ou mesmo R$ 998,00, é preciso colocar abaixo o governo ditatorial de Bolsonaro e todo o regime golpista, recompor os direitos da classe operária e colocar um governo dos trabalhadores no poder.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas