Organizar os trabalhadores
Os números denunciam a ausência de acerto na política econômica do governo que não adota medidas que garantam a mínima sobrevivência da economia capitalista a qual defende
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
50d7807c-734f-11e9-ad2f-00505697492c-wp-960x540
Fila de trabalhadores no teatro municipal de Fazenda Rio Grande, região metropolitana de Curitiba | Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) , mais da metade da população economicamente ativa no Brasil está desempregada.

Os dados do Ipea foram cruzados com as informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua ( Pnad Contínua) do IBGE pelo economista Marcos Hecksher  que declarou ao Jornal O Globo que é a primeira vez em que menos da metade da população em idade de trabalhar está ocupada: 48,8% na segunda quinzena de março e 48,5% no mês de abril”.

“O tombo do mercado de trabalho na segunda quinzena de março, que se aprofundou em abril, foi bem maior do que o já indicado pelo IBGE e pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia”, diz o economista. Esta afirmação baseia-se na impossibilidade de mensuração da quantidade de pessoas desempregadas no período , uma vez que muitas não procuram emprego devido à pandemia e ao isolamento social , portanto não são considerados tecnicamente como desempregados para a base de dados oficial.

O índice do desemprego, passou de 11,2% no trimestre encerrado em janeiro para 12,5% em abril segundo as estimativas oficiais as quais sempre devem ser vistas com desconfiança pois a omissão de dados tornou-se prática corrente no governo Bolsonaro. Somente até abril já haviam sido registrados 1,86 milhão de pedidos de seguro-desemprego.

Apesar de estatísticas longe da realidade observada nas cidades brasileiras, os números denunciam a ausência de acerto na política econômica do governo que em plena crise capitalista não adota medidas que garantam a mínima sobrevivência do regime econômico ao qual defende.

O desemprego já imenso no Brasil foi aprofundado pela crise sanitária decorrente da pandemia de coronavirus causando a paralisia da economia capitalista. As demissões em massa são noticiadas a todo momento na imprensa seja no setor direto como no indireto. Metalúrgicos, Indústria automotiva, Comércio, Ensino, turismo e Serviços. Além das demissões, milhares de trabalhadores tiveram seus salários reduzidos durante a pandemia através do programa de suspensão de contratos.

É preciso enfrentar a onda de demissões decorrente da paralisia da economia capitalista através da organização dos trabalhadores através da criação de comitês de luta dentro dos locais de trabalho , exigindo a proibição das demissões e a redução da jornada de trabalho sem corte salarial. Esta é a única maneira dos trabalhadores se defenderem do ataque capitalista que privilegia o lucro dos patrões em detrimento da preservação dos empregos e da renda dos trabalhadores. Os comitês também são a forma de organizar os trabalhadores para que estes fiscalizem as condições de trabalho já que o índice de contaminação no emprego tem levado até à interdição de empresas como é o caso dos frigoríficos.

O que tem que ser preservado é a renda e o emprego da população, a economia capitalista além de não conseguir garantir a saúde e a vida do trabalhador se mostra incapaz de manter a sua própria sobrevivência.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas