Os “donos” do Mundo
A atitude do banco não é uma novidade na categoria. É uma prática do Santander em demitir trabalhadores quando retornam de licença saúde
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
santander_7_0_1-300x225
Santander | Foto: Reprodução

As mazelas dos banqueiros contra os trabalhadores e a população em geral não tem limites. Se acham os verdadeiros donos do mundo, fazem e acontecem e, logicamente, contam com a colaboração das instituições do Estado, para que possam realizar verdadeiras atrocidades.

Mais um exemplo dessa situação é o que vem acontecendo com o banco imperialista espanhol, Santander, aqui no Brasil. O banco, mesmo tendo sido proferido sentença pelo juiz do Trabalho da 3ª Vara do Trabalho de Porto Velho RO (TRT-14) proibindo de demitir, discriminar e perseguir os funcionários diagnosticados com doença ocupacional, ignorou olimpicamente a determinação e jogou no olho da rua, no último dia 11 de dezembro, mais um bancário portador da doença.

A atitude do banco não é uma novidade na categoria. É uma prática do Santander em demitir  trabalhadores quando retornam de licença saúde por motivo laborais e, especialmente no caso do Rondônia, não é a primeira vez que a justiça do trabalho concede liminar ao Ministério Público do Trabalho (MPT-RO) por sucessivos casos de violações dos direitos fundamentais trabalhistas durante anos.

Justamente por isso que as determinações anteriores da justiça, de nada abalaram a política do banco em demitir hoje. Todo mundo sabe muito bem que a maiorias dos juízes e procuradores estão no bolsos dos banqueiros. Não precisamos ir muito longe para que possamos averiguar isso, é só ver o caso da Lava Jato onde o Ministério Público, Tribunal de Justiça, Supremo Tribunal Federal, etc. envolvidos no golpe de Estado.

A ofensiva dos banqueiros não param por aí, a direção do banco vem se utilizando desses mesmo artifícios e, passando por cima da CLT (Consolidação da Leis Trabalhistas), violando a liberdade de organizações quando demite funcionários representantes dos trabalhadores, que mesmo tendo a estabilidade garantida por lei, demite assim mesmo. Foi o caso da demissão de um dirigente da Cooperativa Habitacional dos Bancários de Macaé e Campos (RJ).

A ofensiva dos ataques do Santander aos trabalhadores é mais uma evidência do porquê que os banqueiros nacionais e internacionais apoiaram e financiaram o golpe de estado no país: liquidar com os direitos e conquistas dos trabalhadores, tentar calar os trabalhadores para implantar uma política de terra arrasada para aumentar ainda mais os seus lucros às custas da superexploração dos trabalhadores e de toda a população.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas