Museus em crise na Europa
Museus devem ser sustentados pelo Estado, sob o controle do povo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Incêndio-do-Museu-Nacional
Incêndio no Museu Nacional... Poderia ser evitado? | Foto: Reprodução

Museus da Holanda, da Alemanha e da França amargam uma crise histórica por causa da baixa frequência de visitantes no contexto da pandemia do Covid-19, mesmo com a reabertura. A crise fez as direções destes museus repensarem o, assim chamado “modelo americano”, onde as instituições dependem mais das verbas que arrecadam com a venda de ingressos e recebem pouco ou nenhum subsídio do Estado.

Neste contexto de pandemia, o “modelo alemão” de relação entre Estado e museus se mostrou mais robusto, uma vez que os museus alemães são mantidos quase que totalmente com subsídios do Estado e assim, conseguem se manter firmes, apesar da redução em até 66% da frequência de visitantes nos seus salões.

Adotando rígidos protocolos para a visitação por serem locais fechados e com a queda das viagens internacionais, que reduziu o volume de turistas nos países europeus, os museus parecem estar fadados a esta crise apesar dos esforços e das inovações que as direções destas instituições desenvolvem para tentar sobreviver.

A que há de certo é que o setor cultural sofreu um duro golpe não só não Europa mas, também, aqui no Brasil, o reflexo da total ausência de política cultural concreta afeta não só os museus, mas o conjunto do setor. O descaso do qual é um exemplo concreto o incêndio que destruiu o Museu Nacional no Rio de janeiro poderá fazer mais vítimas entre os museus brasileiros.

O auxílio ao setor cultural viabilizado pelo governo Bolsonaro é irrisório e engessado, demora a chegar e não chegará aos trabalhadores da cultura, que com certeza será o setor que demorará mais a se recuperar em função da pandemia. Neste contexto a sobrevivência dos museus e dos trabalhadores em cultura depende dos incentivos do Estado. O exemplo europeu demonstra que não adianta apenas autorizar a abertura dos museus, é preciso robustecê-los com os subsídios do Estado.

Por isso, a política do Estado mínimo vai no sentido contrário do que é razoável para a manutenção dos museus. Entregues à própria sorte, estes guardiões da memória coletiva poderão ter que fechar as portas e o prejuízo, neste caso, é para o conjunto da sociedade. Ou então passarão a funcionar em condições precárias colocando em risco o acervo e abrindo caminho para uma destruição como aconteceu no Rio de Janeiro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas