Não a retirada dos Quilombolas
Governo fascista quer despejar quilombolas do município de Alcântara, para mais uma vez se colocar a serviço dos EUA e colocará povo negro na rua com risco de contaminacão ao Covid
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
quilombola
Arquivo DCO - Quilombolas |

Um documento, publicado na último dia 27 de março no , Diário Oficial confirma um brutal ataque a 800 famílias quilombolas que residem, desde o século XVII no arredores do CLA (Centro de Lançamentos de Alcântara). O governo fascista de Jair Bolsonaro determinou que cerca de 12 mil hectares da região de Alcântara além da área já utilizada atualmente pelo CLA, seja destinada a ampliação do terreno militar norte americano em solo brasileiro.

O governo Bolsonaro quer abrir a possibilidade de exploração da base para diversos países, cobrando uma espécie de aluguel pela parceria. Com o governo de Donald Trump, já foi assinado um “acordo de cooperação” juntamente ao General Augusto Heleno.

A medida fascista de Jair Bolsonaro e seus ministros, como já sabido não preza e nunca prezará pela solidariedade aos povos e em um contexto de pandemia, em que a prioridade deve ser cuidar das pessoas e não de fragilizar suas condições de vida, o que vemos é o governo colocando em ação sua política de atacar o povo, neste caso os companheiros quilombolas, atacados desde a fraudulenta campanha da eleição presidencial, quando soltou a famosa frase, de que ”quilombolas pesavam 70 arrobas”, querendo dizer que os negros brasileiros eram privilegiados, já anunciando todos os ataques que estavam por vir. O que ocorre agora é somente a colocação em prática do programa racista de Bolsonaro.

Na decisão, o general Heleno anuncia que a Aeronáutica fará as remoções das famílias e o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) fará o reassentamento das famílias em outra área. O governo fraudulento de Jair Bolsonaro não determinou uma data para a retirada dos quilombolas de seus territórios, mas ninguém no governo nega de que a medida será tomada antes da conclusão dos estudos técnicos do Comitê de Desenvolvimento do Programa Espacial Brasileiro, que teve o prazo final prorrogado para daqui a seis meses.

Em nota, o Movimento dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais Sem Terra (MST), Movimento da Associação do Território Quilombola de Alcântara (ATEQUILA), o Movimento de Mulheres Trabalhadoras de Alcântara e o Movimento dos Atingidos pela Base Espacial (MABE), entre outros, condenaram a medida.

“Consideramos a medida arbitrária e totalmente ilegal, uma vez que afronta diversos dispositivos legais de proteção dos direitos das comunidades remanescentes de quilombo, bem como, tratados e convenções interacionais referidos aos direitos destas comunidades”, explicam os movimentos, que reafirmaram o desejo de permanecer no local.

“Por fim, não admitimos quaisquer possibilidades de deslocamentos reafirmamos nossa irrestrita e ampla defesa às comunidades quilombolas de Alcântara no direito de permanecer no seu território tradicional na sua inteireza e plenitude. Acionaremos todos os meios e medidas possíveis para resguardá-las”, encerra a nota.

As comunidades quilombolas e o movimento negro precisam se levantar e organizar a mobilização efetiva da população quilombola de todo o país e unificados com as lutas gerais dos trabalhadores que precisam ser encaminhadas pela CUT, Partidos de esquerda, sindicatos e demais organizações de luta dos trabalhadores para derrubar o governo fascista de Jair Bolsonaro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas