América latina
Mesmo em meio à pandemia do Covid-19, a população equatoriana saiu às ruas nesta segunda-feira (25) em protestos contra o governo neoliberal de Lenin Moreno
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
U.S. President Donald Trump greets Ecuador's President Lenin Moreno in the Oval Office of the White House in Washington, U.S., February 12, 2020. REUTERS/Tom Brenner
Lenin Moreno: capacho dos Estados Unidos | TOM BRENNER | Crédito: REUTERS

Nesta segunda-feira (25), mesmo em meio à pandemia do Covid-19, a população equatoriana tomou as ruas em várias cidades em protesto contra a política neoliberal do governo Lenin Moreno. Um sindicalista de Guayaquil disse que “se o coronavírus não nos matar, quem irá nos matar será o governo”. Os sindicatos estiveram envolvidos na organização das manifestações.

Estudantes dizem que não há alternativa que não seja a mobilização nas ruas. A Frente Única dos Trabalhadores (FUT), organização que congrega organizações operárias e sindicais, exigiu o cancelamento da dívida externa e a utilização destes recursos para atender à emergência sanitária. Em meio à crise do coronavírus, Lenin Moreno pagou 936 milhões de dólares sob a rubrica de dívida pública para as instituições financeiras Goldman Sachs, Credit Suisse e ICBC Standard Pic.

O direcionamento de recursos para os bancos e instituições financeiras foi seguido por uma brutal política de ataque ao conjunto dos trabalhadores equatorianos. Moreno propôs a redução da jornada de trabalho e confisco de 25% a 40% dos salários dos servidores públicos. No domingo (24), foi anunciada que a crise já deixara um saldo de 150 mil desempregados e, em vista disso, seria necessário extinguir empresas estatais, como a empresa aérea Bandera Tame e a Empresa de Ferrovias do Estado.

A política do governo é a responsável pela situação de calamidade que assola a população, bem como pelo avanço da pandemia do Covid-19. Os protestos no Equador começaram em outubro de 2019 e se estendem até hoje. Em outra ocasião, devido ao caráter insurrecional do movimento e os enfrentamentos com as forças de repressão nas ruas, Moreno foi obrigado a mudar a capital do país de Quito para Guayaquil.

As mobilizações são expressão do repúdio popular à política do tipo neoliberal do governo traidor e fantoche dos Estados Unidos. Os equatorianos percebem que o Covid-19 é tão letal quanto as consequências sociais da política neoliberal, que subordina o poder público e as riquezas do país aos interesses da oligarquia financeira mundial. Enquanto a situação do conjunto da população se agrava, os bancos registram lucros estratosféricos.

É preciso dar continuidade às mobilizações populares até a derrubada do governo Lênin Moreno. Este último, uma vez eleito com apoio da esquerda nacionalista equatoriana, foi cooptado pelo imperialismo e traiu o principal responsável por sua eleição, o ex-presidente Rafael Correa, e dedicou-se a montar um aparelho de repressão política e implementar duras “reformas” contra os direitos da população. Moreno ainda entregou o fundador do Wikileaks, Julian Assange, para os britânicos, em um gesto que demonstra total servilismo à Ingleterra, que violou a embaixada do Equador em Londres.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas