Média de casos volta a subir
A tentativa do governo federal e dos governadores de abafar a seriedade da pandemia não consegue mais entregar à população números “amigáveis” enquanto mantém sua política genocida
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
image_processing20200907-9204-1v1gd9z
Militantes fazem ato simbólico e destacam preocupação com os óbitos pela COVID.-19 no Brasil | Aline Oliveira/MST

Nesta sexta-feira, dia 13 de novembro, foi divulgado o novo levantamento da situação da pandemia de coronavírus no país, a contabilização mostra que a média móvel de casos voltou a subir. Os casos se aproximam dos seis milhões e os óbitos ultrapassam os 165 mil, de acordo com os números contabilizados no balanço do consórcio de veículos de imprensa.

Nas últimas 24 horas, o país registrou cerca de 523 mortes pelo novo coronavírus, com isso, a média móvel de óbitos no Brasil nos últimos sete dias foi de 403. A variação foi de -5% em comparação à média de 14 dias atrás, indicando tendência de estabilidade nas mortes por COVID. Após doze dias seguidos em queda, o país volta ao índice estável, quando não há baixa ou aumento significativo nas mortes por Covid, como informado pelo G1.

Desde o começo da pandemia, 5.811.699 de brasileiros já tiveram ou têm o novo coronavírus, sendo esses dados referentes apenas aos casos confirmados, 29.052 destes foram confirmados no último dia. A média móvel nos últimos 7 dias foi de 25.599 novos diagnósticos por dia, uma variação de +17% em relação aos casos registrados em duas semanas. Ou seja, indica tendência de alta em relação aos últimos 14 dias. Esse índice não apresentava tendência de alta desde o dia 30 de outubro.

O índice atual é de 596 internações por dia, entre casos suspeitos e confirmados nos sistemas público e privado. Médicos de 14 hospitais privados da capital também apontam crescimento no número de internações por COVID-19 neste segmento, e alertam que a tendência pode se alastrar para a rede pública. Também foi reportado pelo G1 que, na sexta-feira, o Hospital Albert Einstein, na Zona Sul de São Paulo, afirmou que o número de internações subiu nos últimos dias.

Os números são assustadores e, mesmo assim, são falsos. A realidade enfrentada pelos brasileiros é muito pior do que a apresentada pelo levantamento. A tentativa do governo federal e dos governadores de abafar a seriedade da pandemia não consegue mais entregar à população números “amigáveis” enquanto mantém sua política genocida que continuará matando os trabalhadores e, com o retorno às aulas nas escolas e universidades desejado pela burguesia, também matará os filhos destes trabalhadores.

Enquanto a direita defende que é possível a reabertura pelos “bons números” e “controle” da pandemia do novo coronavírus onde, inclusive, a esquerda resolve apoiar essa decisão de maneira criminosa, os números de casos e, infelizmente, de óbitos continuará a subir incessantemente entre a população pobre e enfraquecerá ainda mais o sistema público de saúde quando nem mesmo o sistema privado consegue dar conta da situação desesperadora.

Nessas eleições ficou claro a demagogia dos candidatos da esquerda e da direita em relação ao tema. Nenhum apresentou uma proposta que realmente contribuiu para combater o coronavirus: derrubar o governo Bolsonaro que nega a pandemia e suas consequências para os trabalhadores.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas