Merkel reconhece que a vida dos alemães piorou com a unificação capitalista

President Trump And German Chancellor Angela Merkel Hold Joint News Conference In East Room Of White House

Da redação – Às vésperas do Dia da Unidade Alemã, Angela Merkel, chanceler federal alemã, pediu compreensão, quase se desculpando, para a grande quantidade dos alemães do leste que estão insatisfeitos com a unificação. A grande insatisfação dos alemães no leste do país, se dá por conta da decadência que ocorreu no vida dos alemães desta área por conta da mudança do regime político.

Até a crise final da União Soviética,em 1990, a Alemanha era divida em dois países: a República Democrática Alemã (RDA), a Alemanha Oriental, e a República Federal da Alemanha (RFA), a Alemanha Ocidental. A Alemanha Oriental era a parte do Leste onde havia um regime de esquerda, um Estado Operário burocratizado, aos moldes da própria URSS. Na época, existia diversos serviços públicos para o bem comum, que melhoravam a qualidade de vida da população.

Com a crise dos anos 80, os capitalistas se utilizaram da ofensiva neo-liberal e da crise política para derrubar o muro que separava as duas Alemanhas e assim iniciar o processo de reunificação capitalista, que piorou consideravelmente o bem estar da população, como afirmou a própria líder conservadora da Alemanha: “Muitas pessoas perderam seus empregos, tiveram que começar de novo. O sistema de saúde, o sistema de aposentadorias – tudo mudou”.