Meritocracia nos Correios: “todo poder aos chefes”

carta 1

O general Juarez Aparecido de Paula Cunha, indicado pelo ministro golpista das Comunicações,  Gilberto Kassab, como o novo presidente da ECT (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos), anunciou que os Correios em sua gestão não terá mais nomeação de cargos por indicação política, mas por “meritocracia”, buscando dar a entender que será justo com os trabalhadores que merecem. Pura balela.

Primeiro devemos dizer que é uma mentira, já que o próprio ex-presidente dos Correios, Carlos Fortner, indicado político de Gilberto Kassab do PSD (Partido Social Democrata), continuará na direção da ECT por convite do próprio general golpista.

Segundo, que sua própria indicação é política,  pois o general em nada mereceu ser presidente dos Correios, a não ser o fato de ser milico e portanto, representante de quem está mandado de fato no regime político brasileiro, as Forças Armadas.

No entanto, é necessário entender o que realmente o general golpista quer dizer com o fim das indicações políticas aos cargos da empresa, e priorizar a tal “meritocracia”.

Em primeiro lugar,  general golpista está avisando que irá rebaixar todos os funcionários da empresa que receberam promoção nos Correios através dos governos anteriores, principalmente o governo do PT.

Em segundo lugar, que ele irá indicar politicamente “novas” pessoas  aos cargos importantes na ECT, mascarando pela aparência, como se os novos indicados fossem pessoas que possuem méritos para estar no cargo. Irá nivelar por cima, escolhendo pessoas de “nível superior”, elitizando novamente o controle da ECT pela ADCAP (Associação dos chefes e técnicos dos Correios).

E por último, a mensagem é para dizer que os trabalhadores de nível básico, carteiros, atendentes, OTT´s (Operador de Triagem e Transbordos), nunca mais conseguirão ascender na ECT, se a empresa persistir aberta, esses trabalhadores morrerão no mesmo cargo, o de nível básico.

Obviamente, que tudo isso dentro de uma política de privatização da empresa, aonde os “novos” dirigentes da ECT escolhidos a dedo de general, estarão entre os mais capachos, que se calarão diante dadestruição do patrimônio e de sua entrega para os capitalistas do mercado postal.

Estamos de volta na era dos militares dentro dos Correios, aonde os chefes e capatazes da ECT, totalmente capachos dos militares, terão amplos poderes para reprimir os trabalhadores, a fim de que os militaes entreguistas destrua o patrimônio público.

Somente a mobilização contra o golpe poderá impedir mais esse ataque ao conjunto dos trabalhadores dos Correios. Fora Bolsonaro e todos os golpistas!