Menos Médicos: nem metade dos médicos inscritos se apresentou

cartaz-rossin-mais-medicos

A imprensa burguesa está em uma campanha desesperada contra os médicos cubanos e o Programa Mais Médicos, desenvolvidos nos governo anteriores e que a direita quer – de fato – liquidar, como todos os programas sociais, que dizem respeito ao atendimento de necessidades da população.

Primeiro buscaram apresentar a situação como se tivesse criada por uma decisão do governo de Cuba, quando esta foi provocada pelo presidente ilegítimo, eleito em uma fraude, Jair Bolsonaro, que ameaçou mandar os médicos embora, de forma indigna, na primeira semana de seu governo; forçando os cubanos a agirem – corretamente – na defesa dos seus compatriotas.

Agora, tentaram criar uma aparência de que as milhares de vagas abertas, ou seja, os milhares de locais que estão ficando sem atendimento, estariam sendo preenchidos por “grandes heróis” e médicos brasileiros, rapidamente.

Isso quando, segundo os dados oficiais, houve inscritos para todas as vagas, porém menos da metade dos profissionais se inscreveram se apresentaram até agora nos municípios escolhidos e ainda resta milhares de postos de saúde sem nenhum atendimento, especialmente no Norte do país e nas regiões mais pobres das grandes cidades. Nos grandes centros como São Paulo as vagas foram preenchidas de forma parcial.

Esse não comparecimento escancara a mesma situação dos governos anteriores à parceria do PT: os médicos burgueses do Brasil odeiam os mais carentes, pobres, a classe trabalhadora, os negros, nordestinos, quilombolas, indígenas, fizeram inscrição, mas não vão preencher a vaga.

Os dados foram divulgados na última quarta-feira (dia 28) pelo Ministério da Saúde. Das 8,5 mil vagas abertas com saída de Cuba do programa, 8.319 (97,8%) receberam inscrições. No entanto pouco mais de 50% não compareceram as vagas pleiteadas.
Além disso, a situação é caótica porque milhares de médicos estão deixando outras funções em serviços públicos, como o Programa Saúde da Família (PSF) para aderirem ao programa Mais Médicos, por vantagens funcionais imediatas. Ou seja, um setor esta sendo descoberto para atender, parcialmente, a outro.

Fica evidente que a burguesia golpista elegeu, de forma fraudulenta o golpista Bolsonaro, para atacar a Saúde, a Educação públicas, e tudo que interessa ao povo; para satisfazer aos interesses dos tubarões capitalistas.

O episodio com os médicos cubanos, ilustra bem como essa direita golpista quer “jogar” a população na mais extrema pobreza, sem saúde, educação e moradia.

Somente com a mobilização dos trabalhadores e suas organizações vamos derrotar os golpistas de plantão e salvar a população dessa escória.