Destruição da cultura
Mais um ataque contra a cultura no Brasil. Aumento do preço do papel este ano pode provocar um encarecimento dos livros.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
livro
Biblioteca | Foto: Vincent Fuh

Mais um capítulo da destruição da cultura, no regime fascista que o Brasil se encontra desde o golpe de 2016 e agora mais acirrado com o governo Bolsonaro. Neste final de semana no Painel das Letras, o destaque foi para o aumento do preço do papel, ficando mais caro neste começo de ano e assim, deve aumentar o preço dos livros, segundo a coluna de editoras de grande e pequeno porte. 

Uma das empresas que dominam o monopólio de fornecimento de papel e celulose, a Suzano, comunicou a seus parceiros que o papel Pólen, um dos mais populares, sofreria um aumento de 15,5% a partir da próxima semana, enquanto os papéis revestidos, mais comuns em livros ilustrados , subiriam 15%. Diz em nota, que ao longo de 2020 não promoveu reajustes no preço do papel não revestido e que decidiu, no início da pandemia, “não repassar para os preços praticados no mercado doméstico a alta de custos de produção, diretamente relacionada à rápida desvalorização do real frente ao dólar ”. 

Já a International Paper, outra empresa que tem um considerável poder de monopólio do mercado no país, reajustou seus produtos em 7%, afirmando, com a desculpa de ter sofrido com a pressão inflacionária. Mas a principal desculpa é de que com a pandemia aumentou a busca por outros produtos feitos com celulose, como embalagens e papelão, lembrando  que a demanda nas gráficas está alta, devido a um mercado editorial reaquecido Sendo esta manobra de aumento do papel e consequentemente dos livros, uma estratégia da alta burguesia para dificultar o acesso a cultura da classe trabalhadora e arrancar mais dinheiro daqueles que querem adquirir os conteúdos disponíveis a venda. 

Por enquanto, ainda não estamos vendo a queima de livros em praças públicas, mas mesmo assim a hipótese não pode ser descartada no atual contexto em que o Brasil vive. Mas a inexistência de fogueiras, não significa muita coisa, pois o medo dos livros, e de tudo que eles podem oferecer, se apresenta todos os dias pela direita. Enfim, desde que esse governo ilegítimo e fascista de Bolsonaro assumiu, o acesso à cultura definha.

Isso mostra os problemas enfrentados pela classe trabalhadora com a pandemia, que na verdade o grande e principal problema é a inércia do regime político fascista em questão, que ameaça o campo da cultura. Sendo essa inércia proposital, pois o interesse da direita é a economia, não é ajudar o povo brasileiro em geral, incluindo o setor cultural, mas sim o interesse dos bancos e da alta burguesia. Deixando que as pessoas morram da doença ou de fome, nesse governo descaradamente assassino.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas