Melhores condições para policiais significa aprimorar a repressão contra o povo

Estudantes bloqueiam vias em São Paulo em protesto contra fechamento de escolas

Em uma extensa matéria no site Brasil de Fato, cujo se intitulava “Policiais Militares sofrem com ‘mordaça’, baixa remuneração e equipamento precário” todo o texto é destinado a fazer um apanhado do que seria a difícil situação dos PM’s  no estado de São Paulo. São apresentados inúmeros tópicos que a matéria visa esclarecer sobre a organização, e de que forma isso intervêm na vida dos ditos trabalhadores da segurança pública.

No primeiro momento, a apresentação do texto se reserva para falar como a rotina de pressão afeta o bem estar dos policias e como isso se reflete no relacionamento com a população. Fato é, que segundo o mesmo, não existe repressão contra o povo ou qualquer tipo de clima de terror, o que há é uma policia precarizada e com falta de equipamentos que tornem o atendimento a população melhor – lê-se repressão.

De maneira geral, o que fica claro é que o site não só considera a corporação fascista e aqueles cujo executam o trabalho sujo como de fato uma categoria de trabalhadores, e que possuem reivindicações assim como operários. Foram quatro tópicos apresentados sobre os policias: porta de entrada, equipamentos, uniformes e punições e por fim, direitos humanos. Vale a pena chamar atenção ao que se refere à equipamentos, onde se fala de matérias precários, como armas que possuem falhas, etc. Quer dizer, não só se faz a defesa de uma organização que mata o povo, mas como querem dar melhor subsídio para massacrarem a população indiscriminadamente.

Essa é a verdade, dar melhores condições para a policia é dar melhores condições para a repressão. Portanto, não existe espaço para fazer defesa daqueles cujo único papel tem sido o de esmagar a população mais pobre e os trabalhadores quando se manifestam. É preciso lutar pela autodefesa da população, defender o direito da organização de milícias populares que fazem a sua própria segurança, assim extinguindo a máquina de matar do estado.