Campo de concentração
Com 755.274 detentos até 2019, o déficit de vagas que era 312.925, já foi superado. Essa superlotação e a falta de estrutura contra o Covid19 é causa de um genocídio no sistema.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
prisao_lotada
Super lotação das celas. | https://www.inclusive.org.br/arquivos/22620

No Brasil, o presidente ilegítimo e fascista Jair Bolsonaro, e que já defendeu publicamente a aplicação da tortura contra presos, nenhuma medida tomou para resguardar a integridade física desses presos contra a pandemia. Muito pelo contrário! Ele faz valer o princípio segundo o qual bandido bom é bandido morto. 

O STF também mantém o entendimento predominante de “lavar as mãos” afirmando que tudo que o CNJ já propôs já dá conta do recado. Tal posição foi defendida em março do corrente, no julgamento de  uma Ação de Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF), a 347, pelo voto do Ministro Alexandre de Moraes, e seguido por todos os demais, com exceção de Gilmar Mendes, que acompanhou o  voto do Min. Marco Aurélio, cujo pronunciamento rebateu os argumentos dos ministros afirmando ter “assentado o óbvio” diante do “estado de coisas inconstitucionais” apontado pelo Instituto de Defesa do Direito de Defesa – IDDD, e que, longe de ser um desnecessário “mutirão carcerário”, como expressou Alexandre de Moraes. Ainda segundo Marco Aurélio, sua medida era um reforço às determinações do CNJ, na forma como entende, e não um extra para acarretar mais serviço, e sim um chamamento para eficiência no desenrolar do problema.

As pastas do governo federal editaram, em março, dois decretos orientando os gestores dos presídios, entre várias medidas, a restringir ao máximo a entrada de visitantes, inclusive advogados. Além de recomendar espaços de isolamento para custodiados gripados, para os casos de doentes ou com suspeita da coronavírus, quando não for possível isolá-los em celas individuais, e recomendam que sejam usadas cortinas e marcações no chão para marcar distância mínima de dois metros entre os internos, como reportou na época o jornal Folha de S. Paulo. Isso seria cômico se não fosse trágico, e risíveis essas orientações, quando se está tratando de um sistema carcerário completamente inchado, saturado, e tão precário, soltando gente pelo “ladrão”.

Relatório do Depen, de dezembro de 2019, indicam que 62% dos estabelecimentos penitenciários possuíam consultório médico. Com 755.274 detentos até aquele momento, o déficit de vagas era 312.925. Essa superlotação e a falta de estrutura são aspectos claros incluídos nas análises das possibilidades de perigo do coronavírus no sistema prisional desde o início da pandemia, e que nenhuma medida para solução do problema obteve do presidente e sua equipe.

De lá para cá, a situação só piorou. A contaminação pelo novo coronavírus em presídios aumentou 800% de maio para junho, segundo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Em julho, o órgão decidiu renovar por mais três meses a recomendação para que magistrados considerem a soltura de presos, com substituição de pena, por causa da pandemia.

Segundo o conselho, desde março, 32.530 presos puderam deixar o sistema penitenciário, a partir da recomendação, em 19 Estados. Pelos dados do CNJ, no dia 1° de maio, existiam 245 presos com Covid-19, e em julho eram  2.212 casos confirmados. O número de mortes também aumentou no período, de 14 para 53.

Entre servidores que trabalham em presídios, o crescimento segue o mesmo ritmo: 327 casos no início de maio contra 2.944 em julho. Três mortes tinham sido registradas em julho, e julho chegavam a 41.

Como comparação, no dia 1° de maio, o país registrava 92.202 casos de coronavírus e 6.412 mortes, enquanto em julho já eram 828 mil casos e 41 mil mortes.

O Instituto de Defesa do Direito de Defesa (IDDD) entrou com ação civil pública, na última semana, para requerer o fornecimento ininterrupto de água, materiais de higiene e limpeza, além de equipamentos de proteção individual (máscara e álcool gel), nos presídios de São Paulo, durante a pandemia. 

A maioria das unidades do sistema prisional de São Paulo tem racionamento de água. Faltam ainda materiais de higiene, máscaras e médicos. Os advogados também pedem a distribuição de alimentos e remédios, equipes médicas e o controle da entrada e saída de pessoas, como formas de conter a disseminação da doença nos presídios.

Segundo o IDDD, são “medidas mínimas” de proteção dos direitos fundamentais dessa população, diante do descumprimento de protocolos básicos para conter a proliferação da doença.

De acordo com o Núcleo Especializado de Situação Carcerária (NESC), o racionamento de água atinge mais de 70% das prisões paulistas. No Centro de Detenção Provisória de Mauá, por exemplo, o fornecimento de água dura apenas quatro horas diárias, segundo denúncias recentes. Segundo o órgão, 69% dos presos ouvidos recebem sabonete quando precisam e a maioria das unidades não conta com distribuição de kits de higiene em quantidade suficiente.

Por outro lado, levantamento feito pela Defensoria Pública do Estado de São Paulo aponta que 77,28% das unidades prisionais não possuem equipe mínima de saúde. A maior parte das prisões não conta, sequer, com um médico em seu quadro de funcionários.

O trabalhador preso, massacrado pelo capitalismo, agora pode morrer na prisão ou no caminho para os hospitais por falta de socorro contra o coronavírus, por completo fracasso do sistema prisional. A burguesia pretende enterrar muitos presos dessa forma. Na verdade tratam os presídios como verdadeiros campos de concentração visando o extermínio dessa população carcerária, sendo, inclusive, essa a única motivação para conter o problema de superlotação dos presídios. A ação se aprimora em franco genocídio com o Covid-19, já que não há testes, não há condições de tratar a todos, não há equipamentos de proteção sequer para os profissionais da saúde, e nem vai ter  se levarmos em conta a falência do Estado.

Acrescente-se a isso também o fato de que mais de 40% da população carcerária foi presa sob uma acusação qualquer, e passa meses e até anos em presídios, em uma situação humilhante e cruel, sem ter sido julgada. Por isso é que há grande necessidade de fazer ampla campanha contra a política de perseguição, coação, violência e extermínio, promovida pelo Estado burguês contra o conjunto dos explorados do país. Política essa que se acentuou enormemente com o governo golpista, como tentativa de encarceramento em massa, e de desaparecer com quem denuncia todo essa arbitrariedade criminosa.

É tarefa da esquerda combater o sistema penitenciário e lutar pela libertação dos presos já, principalmente daqueles que não representam um perigo para a sociedade, dos presos provisórios, também de todos os presos cujos delitos foram leves, além dos presos que excedem a capacidade dos presídios. Além disso, é fundamental que haja estrutura médica nos presídios, como consultórios médicos e equipamentos de segurança para os profissionais de saúde atenderem com segurança, além de testes, máscaras e álcool em gel para que a população carcerária possa conter a disseminação do vírus.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas