Covid-19 assola manauaras
Genocídio é responsabilidade de toda política conduzida pela direita brasileira
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Manaus
Cemitério lotados e valas comuns em Manaus. Cenário tendo a se repetir em 2021 | Foto: Sandro Pereira

O ano mal começou, nos encontramos na primeira semana de janeiro e as perspectivas futuras para o povo brasileiro frente a pandemia do novo coronavírus não são das melhores. Em Manaus, capital do estado do Amazonas, os enterros alcançaram uma triste nova marca por conta de um aumento de 80% nos últimos 15 dias. David Almeida (Avante), prefeito de Manaus, decretou na última terça-feira, estado de emergência por 180 dias em função do avanço da Covid-19 na cidade.

O estado do Amazonas carrega a trágica marca de 5.500 mortos pelo novo coronavírus e atualmente apresenta uma taxa de internações superior a situação vivenciada pelo estado nos meses de abril e maio de 2020, onde se viu o colapso da rede pública de saúde que trabalhou com quase 100% dos leitos ocupados. Ainda nesses meses, a população vivenciou o terror de enterros coletivos, filas de carros funerários e caixões empilhados em valas comuns.

A situação catastrófica evidenciada em Manaus é resultado de uma série de fatores que, diferente do que é amplamente difundido na mídia golpista e porta-voz da burguesia nacional, não é culpa do povo manauara. O genocídio é legado de um poder público omisso, demagogo, incapaz das premissas básicas atribuídas ao Estado e que em última análise ojeriza o povo brasileiro. Em outras palavras, o povo trabalhador que se abarrota em transportes públicos precários são as maiores vítimas de todos os efeitos nocivos do capitalismo e do aprofundamento desses efeitos na pandemia do coronavírus.

Não existe um número de mortos que saciem a direita golpista brasileira e a irrefreável gana da burguesia pela manutenção de seus lucros. De Norte a Sul do País, observa-se que o contágio do novo coronavírus não cessa e nem dá sinais de alívio para população operária que é obrigada a sair às ruas em busca de seu sustento, concomitantemente, também é perceptível que não existe um mero esboço de planejamento para sanar nem mesmo as mínimas demandas emergenciais do povo trabalhador no meio da pandemia da Covid-19. Em suma, todos os duzentos mil mortos não significam nada para os direitistas brasileiros.

Uma boa parte da esquerda brasileira tem sua parcela de culpa nesse cenário pavoroso que se posiciona frente o povo brasileiro, à medida que adota uma política fundamentalmente pautada na crença de que as instituições, ou ainda, que o poder público dominado pela direita tem qualquer apreço pela vida alheia, principalmente, dos mais pobres.

Por fim, de mãos dadas, observando o caos que assola o povo operário brasileiro, estão todos os direitistas, golpistas e toda a classe patronal brasileira […] para eles, todas as mortes e dores enfrentadas pela população são tratadas como um reles efeito colateral da manutenção das atividades econômicas das quais são detentores. Derruba-los é mais do que um caminho, é uma urgência.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas