A mando dos banqueiros
MEC decide e logo volta atrás em decisão que visa a reabertura de todo ensino superior. Capitalistas querem o genocídio dos estudantes.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Prédio do Ministério da Educação
Para o que MEC, o que menos importa é a educação. | Marcelo Camargo/Agência Brasil

No dia de ontem, o Ministério da Educação (MEC) determinou a volta às aulas presenciais em todas as universidades e institutos federais a partir do dia 4 de janeiro. Por meio da mesma portaria no “Diário Oficial da União”, o ministério também revogou a permissão para que as atividades on-line -conhecidas “EAD”- contassem como dias letivos no calendário.

Genocídio em marcha

A decisão servia para suspender o fechamento das escolas e universidades de ensino superior, que não reabrem desde o mês de março devido à pandemia do novo coronavírus. Além disso, representava um passo adiante nos ataques contra os professores e estudantes. Após massacra-los com o Ensino à Distância (EAD), o MEC bolsonarista deseja jogar todos para um vírus extremamente letal.

O MEC ainda definiu que é de responsabilidade das instituições fornecerem recursos para os alunos acompanharem as atividades, sendo que o mesmo vale para o cumprimento de protocolos de biossegurança, que supostamente seriam o suficiente para conter a contaminação.

O que chama a atenção é a total disparidade dessa política com os reais investimentos feitos na educação. O orçamento do ministério para a educação em 2021 prevê cortes de R$ 1,4 bilhão, demonstrando que na realidade, não há nenhum interesse na defesa da educação.

Este retorno faria com que as atividades presenciais propiciassem a circulação de mais de 2,3 milhões de pessoas, segundo dados do próprio MEC. Seria assim responsável por fazer retornar as atividades em ao menos 110 federais em todo o País, bem como nas milhares de faculdades privadas.

A notícia, como era de se esperar, causou rapidamente uma polêmica em todo o meio acadêmico. Reitores como Soraya Smaili, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) colocaram que “não é possível pensar em um retorno presencial”.

Todos aqueles que são os responsáveis diretos pelas instituições visivelmente temem as consequências da reabertura. O que está em jogo é a vida de milhões de alunos, professores, funcionários e seus familiares, a pressão é muito forte por parte desse setor, uma resposta clara à pressão econômica feita pelos capitalistas.

Para o MEC, o que vale não é a vida dos estudantes, mas sim os interesses econômicos da burguesia brasileira e imperialista. A decisão de reabrir tem como único objetivo reanimar o mercado capitalista, já muito fragilizado pela crise econômica, e que está sendo levado rapidamente a um abismo pela pandemia.

Os capitalistas precisam da reabertura. São milhões de estudantes e funcionários que estão deixando de circular e frequentar o mercado, seja na compra de materiais ligados diretamente ao âmbito acadêmico ou não. O que há, é uma quebra de toda esta fonte de renda dos capitalistas, algo que se torna ainda mais crucial em plena crise econômica.

Meia volta…

Assim, após toda a polêmica gerada, o MEC se viu obrigado a recuar frente à reabertura. Na mesma quarta-feira, o ministério voltou atrás na portaria.

Em entrevista à CNN, o ministro da educação, Milton Ribeiro, percebendo toda a crise que se gerou em torno de sua política, afirmou que irá realizar uma consulta pública com o setor acadêmico para a tomada de novas decisões.

Mais nada chegou a ser divulgado, que tipo de “consulta” seria essa, que é o dito “setor acadêmico” ou qualquer coisa que represente algo minimamente objetivo fora divulgado. O que se percebe em meio a esta toda situação é a política de desespero de setores da burguesia golpista, e sua total incompatibilidade com a vontade popular.

A decisão do MEC prontamente se mostrou um fracasso, mas não pela ação das nada combativas organizações estudantis, como a UNE, porém sim pela já perceptível total impopularidade da política, o que demonstra a própria fragilidade do governo na tomada de decisões.

No entanto, não é por um recuo que o MEC e os capitalistas deixarão de tentar emplacar de vez esta política. As escolas privadas já começaram a ser reabertas, é mais um passo para as públicas seguirem o mesmo caminho. Por isso, não pode-se ter ilusões, o movimento estudantil precisa rapidamente se organizar e mobilizar-se contra o governo Bolsonaro. A luta deve ser por volta às aulas apenas com vacina para todos, e isso se dará de fato, com uma real luta pela derrubada do governo golpista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas