Mato Grosso: o retrato das péssimas condições de trabalho em frigoríficos

fri

As estatísticas que tratam das condições de trabalho no país colocam, de uma forma lastimável o ramo industrial dos frigoríficos.

Em todo o país, os trabalhadores desse setor são, em segundo lugar, os mais atingidos pelo descaso dos patrões quanto à segurança e condições de trabalho.

A contribuição dos estados da região Centro Oeste atuam, de forma determinante, para que esse quadro se agrave cada vez mais, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul fazem parte deles, ambos estão em primeiro lugar.

No entanto, os frigoríficos, incluindo o abate e a produção de embutidos e cortes em geral, os patrões de Mato Grosso conseguem, desde 2012, ser os piores de todos.

São seis anos consecutivos de destruição das condições de vida de seus funcionários, segundo o Tribunal Regional do Trabalho (TRT-MT) foram 10.363 acidentes registrados nos frigoríficos de 2012 a 2017 num total de mais de 60 mil acidentes durante os anos de 2012 a 2017. Ou seja, quase 20% desse montante correspondem aos acidentes em frigoríficos e um número de óbitos de 626.

Os patrões deixam os trabalhadores à sorte dos acontecimentos, abandonados, não têm nenhuma preocupação, a não ser com os valores depositados em suas contas bancárias, às custas do sangue e suor de seus funcionários, que para eles representam tão somente um número que poderá ser descartado a qualquer momento.