Siga o DCO nas redes sociais

Mais uma tragédia capitalista
Massacre: parte dos mortos de Brumadinho eram funcionários da Vale
Esse é o resultado das privatizações. Causa literalmente, a morte de centenas de pessoas. E com as contaminações deixam dezenas de cidades em situação de insegurança habitacional.
whatsapp-image-2019-10-04-at-11.20.01
Mais uma tragédia capitalista
Massacre: parte dos mortos de Brumadinho eram funcionários da Vale
Esse é o resultado das privatizações. Causa literalmente, a morte de centenas de pessoas. E com as contaminações deixam dezenas de cidades em situação de insegurança habitacional.
Já foram resgatadas, até o momento, 256 vítimas. E mais 14 pessoas ainda desaparecidas.
whatsapp-image-2019-10-04-at-11.20.01
Já foram resgatadas, até o momento, 256 vítimas. E mais 14 pessoas ainda desaparecidas.

Nessa última sexta-feira (22), o Corpo de Bombeiros encontrou mais um corpo de uma vítima do rompimento da barragem em Brumadinho-MG. E identificada pela Polícia Civil de Minas Gerais como sendo o corpo de Elis Marina Costa, 24 anos, técnica em Segurança do Trabalho. Era funcionária terceirizada da Vale.

O corpo foi encontrado a cerca 2 quilômetros da barragem da Vale em Brumadinho a três metros de profundidade. E já em estado avanço de decomposição, mas ainda íntegro para identificação através da arcada dentária.

No dia 20 também foi encontrado o corpo de Marcos Ferreira da Silva. Já foram resgatados, até o momento, em meio a lama de Brumadinho 256 vítimas. E mais 14 pessoas ainda estão desaparecidas.

A tragédia foi tão grande que mesmo depois de 300 dias do rompimento da barragem ainda há corpos soterrados.

E moradores da região metropolitana de Minas Gerais, como a cidade de Betim não usam mais a água da COPASA (Companhia de Saneamento de Minas Gerais). Pois a fonte é o Rio Paraopeba está contaminado.

Quem arrisca usar a água imediatamente tem coceira na pele, disenteria e náusea.

Tomás Nedson, do Movimento dos Atingidos por Barragens, relata que há risco do rio que está completamente contaminado pelo desastre gerar enchentes, expandindo a contaminação da água e do solo.

Esse é o resultado das privatizações. Causa literalmente, a morte de centenas de pessoas e afeta durante décadas a saúde de mais milhares com as contaminações, enchentes, transformando dezenas de cidades em situação de insegurança habitacional.

A negligência por conta das privatizações – que somente visam o lucro – chega ao cúmulo da tragédia por péssimas condições de trabalho a ponto de uma técnica em Segurança do Trabalho estar entre os mortos.

Foi mais um massacre capitalista, que matou o povo de Brumadinho e funcionários. A intervenção imperialista na América Latina tem intensificado a política de privatizações. Que são insustentáveis como estamos vendo também no Chile onde essa política é ainda mais profunda.

É preciso derrubar toda essa intervenção imperialista no continente e que tem reprimido ainda mais o povo latino americano com uma sequência de golpes de estados na última década após a crise capitalista de 2008.

A II Conferência Nacional Aberta de Luta Contra o Golpe e o Fascismo vai deliberar e organizar a luta pela derrubada do governo Bolsonaro e todos os golpistas também da América do Sul. O único evento convocado com essa direção. Vai acontecer nos dias 14 e 15 de dezembro, na capital de São Paulo. Importante a participação de todos os movimentos.