Mais uma tragédia capitalista
Esse é o resultado das privatizações. Causa literalmente, a morte de centenas de pessoas. E com as contaminações deixam dezenas de cidades em situação de insegurança habitacional.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
whatsapp-image-2019-10-04-at-11.20.01
Já foram resgatadas, até o momento, 256 vítimas. E mais 14 pessoas ainda desaparecidas. |

Nessa última sexta-feira (22), o Corpo de Bombeiros encontrou mais um corpo de uma vítima do rompimento da barragem em Brumadinho-MG. E identificada pela Polícia Civil de Minas Gerais como sendo o corpo de Elis Marina Costa, 24 anos, técnica em Segurança do Trabalho. Era funcionária terceirizada da Vale.

O corpo foi encontrado a cerca 2 quilômetros da barragem da Vale em Brumadinho a três metros de profundidade. E já em estado avanço de decomposição, mas ainda íntegro para identificação através da arcada dentária.

No dia 20 também foi encontrado o corpo de Marcos Ferreira da Silva. Já foram resgatados, até o momento, em meio a lama de Brumadinho 256 vítimas. E mais 14 pessoas ainda estão desaparecidas.

A tragédia foi tão grande que mesmo depois de 300 dias do rompimento da barragem ainda há corpos soterrados.

E moradores da região metropolitana de Minas Gerais, como a cidade de Betim não usam mais a água da COPASA (Companhia de Saneamento de Minas Gerais). Pois a fonte é o Rio Paraopeba está contaminado.

Quem arrisca usar a água imediatamente tem coceira na pele, disenteria e náusea.

Tomás Nedson, do Movimento dos Atingidos por Barragens, relata que há risco do rio que está completamente contaminado pelo desastre gerar enchentes, expandindo a contaminação da água e do solo.

Esse é o resultado das privatizações. Causa literalmente, a morte de centenas de pessoas e afeta durante décadas a saúde de mais milhares com as contaminações, enchentes, transformando dezenas de cidades em situação de insegurança habitacional.

A negligência por conta das privatizações – que somente visam o lucro – chega ao cúmulo da tragédia por péssimas condições de trabalho a ponto de uma técnica em Segurança do Trabalho estar entre os mortos.

Foi mais um massacre capitalista, que matou o povo de Brumadinho e funcionários. A intervenção imperialista na América Latina tem intensificado a política de privatizações. Que são insustentáveis como estamos vendo também no Chile onde essa política é ainda mais profunda.

É preciso derrubar toda essa intervenção imperialista no continente e que tem reprimido ainda mais o povo latino americano com uma sequência de golpes de estados na última década após a crise capitalista de 2008.

A II Conferência Nacional Aberta de Luta Contra o Golpe e o Fascismo vai deliberar e organizar a luta pela derrubada do governo Bolsonaro e todos os golpistas também da América do Sul. O único evento convocado com essa direção. Vai acontecer nos dias 14 e 15 de dezembro, na capital de São Paulo. Importante a participação de todos os movimentos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas