Análise política
Lições deixadas pelo partido revolucionário russo durante o período de refluxo são um guia para a atividade revolucionária atual e foram tema de discussão do programa Marxismo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Lênin-q1
Líder da Revolução Russa, Lênin e os bolcheviques souberam superar adversidades | Foto: Reprodução
Lênin-q1
Líder da Revolução Russa, Lênin e os bolcheviques souberam superar adversidades | Foto: Reprodução

A edição número 54 do programa Marxismo, com Rui Costa Pimenta trouxe a 13ª parte da sequência de matéria sobre o revolucionário líder da Revolução Russa de 1917, Lênin. Neste episódio, a palestra do companheiro Rui trata do refluxo do movimento revolucionário após 1905, o chamado ‘ensaio geral’ para a Revolução de 12 anos depois.

Com a derrota do levante de 1905, o Soviet da então capital russa, São Petersburgo, é desmantelado, com muitos de seus líderes presos. Nesse momento de muitas incertezas, Lênin e os bolcheviques defendem que o momento seria superado, o que levaria a chama revolucionária a se reacender, mesmo com o refluxo verificado, sobretudo após a convocação da segunda Duma em fins de 1906.

Cumpre destacar que os bolcheviques não estavam “profetizando” a retomada do movimento operário, mas fazendo uma análise baseada na situação russa. A retomada de fato viria com as grandes greves operárias de 1912, em uma ascensão do movimento operário que seria interrompido novamente com a Primeira Grande Guerra.

 

Avenida Nevski

 

A dinâmica da luta entre o proletariado e a burguesia não é linear como ensina Lênin. A formação do partido revolucionário depende das experiências extraídas também do período de refluxo, quando o partido se encontra sob forte pressão.

Com os bolcheviques não foi diferente. Com a diminuição da atividade revolucionária da classe trabalhadora, uma linha revisionista surgiu entre os bolcheviques propondo o abandono da luta política, através do boicote da segunda Duma, o parlamento do Czar.

Já entre os mencheviques, o refluxo do movimento levou a uma guinada à direita ainda mais acentuada, com a teoria de que a revolução deveria ser entregue à burguesia, com a classe operária limitando-se a um papel auxiliar para os capitalistas, o que se deriva de uma política de colaboração com a burguesia.

Com o movimento refluindo, revelam-se também as vacilações dos elementos pequeno-burgueses, que se expressam sob diversas formas, desde políticas que visam a integração do partido revolucionário ao regime vigente, às chamadas políticas ultra esquerdistas, que tendem a um forte sectarismo e desconsideram o momento da luta de classes.

Finalmente, em 1912, o Partido Operário Social Democrata Russo (POSDR) racharia em dois partidos distintos, ainda refletindo o refluxo iniciado quase 6 anos antes. Com a divisão, bolchevismo e menchevismo constituem enfim, não mais duas alas do partido socialista russo, mas dois partidos políticos diferentes.

 

A defesa do materialismo

 

Outro fenômeno a ser destacado sobre o período de refluxo são as teorias extravagantes que surgem, quase sempre apresentando-se como uma superação do marxismo, utilizando como trunfo o fato de tais teorias serem… Novas.

Com uma obra clássica tratando do tema, Materialismo e Empiriocriticismo é publicado como resposta à infiltração das ideias reacionárias entre a classe operária e a militância do partido.

Publicado em 1909, o livro é uma polêmica com Ernst Mach, filósofo muito popular no início do século 20, com obras que exerceram profunda influência na academia de sua época. Seus livros tratam dos fundamentos do “empiriocriticismo”, nova teoria filosófica baseada em concepções idealistas e que atacavam o materialismo.

Assim como o identitarismo em nossa época, a popularidade de teorias idealistas está profundamente ligada ao período de refluxo, tendo por isso, um forte componente político impulsionando tais correntes.

O retrocesso organizativo sofrido pelo PSODR no refluxo do movimento operário é enorme. O partido fica reduzido a cerca de 20% dos efetivos conquistados durante a revolução de 1905 como resultado do abandono da atividade política.

Entre os remanescentes, a infiltração de ideias idealistas revela a busca por soluções milagrosas para os problemas do momento, demonstrando uma forte desmoralização que marca o período de refluxo.

Para Trótski, é importante preservar o conteúdo ideológico do partido revolucionário. As idas e vindas da dinâmica política devem ser encaradas de maneira fria, de modo a permitir a retomada da atividade revolucionária no momento de ascensão.

Com isto claro, destaca-se a importância do estudo de tais períodos, sobretudo dos momentos de refluxo, para uma melhor compreensão das tarefas a serem realizadas durante o momento de retrocesso e após a superação do refluxo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas