Marqueteiro quase mata Temer com ideia de ida ao Largo do Paiçandu

APTOPIX Brazil Building Collapse

Segundo os bombeiros, há quatro pessoas desaparecidas entre os moradores do prédio que desabou depois de um incêndio no Largo do Paiçandu, no centro de São Paulo. Na madrugada do dia 1º de maio, o prédio de 24 andares pegou fogo e sua estrutura acabou desabando. O edifício era ocupado por um movimento popular de moradia. Horas depois da tragédia, no final da manhã, o golpista Michel Temer resolveu aparecer para, segundo ele, prestar apoio às vítimas.

Na verdade, porém, a ideia de Temer ir até o Largo do Paiçandu foi de seu marqueteiro, segundo o blog de Andréia Sadi no G1. Elsinho Mouco sugeriu a Temer que fosse até o local para provar que não é impopular. O marqueteiro também sugere que Temer concorra à presidência nas eleições. A ideia do passeio no Largo do Paiçandu era mostrar que Temer pode sim andar nas ruas, sair de Brasília, e caminhar à vontade no meio do povo.

Infelizmente para o conselheiro do golpista usurpador, a arriscada ação de Temer provou justamente o contrário. Temer estava em sua casa em São Paulo aproveitando o feriado. Interrompeu seu descanso para ir fazer demagogia às custas da tragédia alheia em uma operação eleitoral. O problema é que o povo foi pra cima do presidente. Cercado por seguranças e jornalistas, Temer conseguiu fugir de volta para o carro e escapar da fúria popular. Seu motorista revelou-se muito mais sábio que seu marqueteiro. Graças ao condutor do veículo Temer sobreviveu e está vivo hoje. Sua impopularidade, reconhecida por todos, está mais do que comprovada. É a impopularidade do programa golpista de privatizações, corte de gastos e ataques aos trabalhadores. A população trabalhadora repudia a direita golpista.