Atleta santista
Jogador do Santos lembra casos de racismo, cita outros astros do esporte para dizer que vai se posicionar mais a respeito da opressão dos negros
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
4e9abd262783b5757017144d7018ccb4
A luta contra o racismo | Yahoo esportes

O jogador dos santos Marinho, inspirado por estrelas como Lewis Hamilton e Lebron James, se posicionou levantando a bandeira contra o racismo no esporte no Brasil depois de ter sofrido injurias raciais pelo jornalista Fabio Benedetti, da Rádio Energia 97 que acabou sendo demitido respectivamente depois desse fato.

“O mais importante é perceber que quando o Hamilton faz isso, quando o LeBron faz isso lá nos Estados Unidos, eles têm um respeito. No Brasil se você para fazer isso é muito ‘mimimi’ ‘Nutella’, isso e aquilo”, disse o atleta do Santos.

O “mimimi” citado por Marinho parte por grande parte da imprensa brasileira que durante anos e até hoje é comandada por grupos capitalistas, que alimentam não só o racismo, mas também o fascismo  e que sempre fizeram questão de minimizar a luta e até mesmo silenciando os problemas enfrentados pelos negros.

A explosão de casos de racismo não só no brasil, mas como no mundo todo ocorrem em um momento que a ofensiva do neoliberalismo vem aumentando cada vez mais. Diante disso, estrelas dos esportes vem se posicionando e mostrando para o imperialismo que a luta contra o racismo não vai ficar apenas na teoria. Vale ressaltar que Marinho assim como tantos outros jogadores negros são oriundos da classe trabalhadora, que no Brasil,  é majoritariamente composta por negros.

“Eu vou defender uma bandeira porque a gente passa por isso, tem gente que passa e não tem voz ativa, mas eu não ligo para o que vão falar de mim, o mais importante é saber o melhor para o próximo, pessoas que passam por isso diariamente, pessoas que no seu emprego não podem falar senão vão ser mandadas embora, isso que nos machuca, porque lá fora as pessoas falam e têm respeito, fornecem um abraço; aqui muita gente vem e critica ainda. Independente do que falem de mim , eu vou estar sempre brigando por aquilo que acho que é certo “, destacou.

A iniciativa de Marinho de levantar bandeiras e principalmente de posicionar é válida porem não é uma tarefa simples, pois confronta o capitalismo. A ofensiva contra o racismo vem em um momento em que países capitalistas como EUA e da Europa ditados por anos por imperialistas e mercadores de escravos vem sofrendo uma certa resistência quanto a exclusão de seu passado racista e participação de negros em sua história.

No Brasil a luta contra o racismo ainda tem uma certa timidez. Organizações privadas tentam liderar o movimento financiado pelo próprio imperialismo, de forma em que tentam excluir a importância do negro na história.

A luta contra o racismo só vai ter um fim quando o sistema capitalista acabar. O fim da opressão racial que os movimentos negros buscam só vai ser realizado quando a classe trabalhadora se unir e iniciar a derrubada de um sistema que até hoje só causou sofrimento a própria classe que o sustenta.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas