Mobilização
Em diferentes partes do país, manifestantes realizam protestos contra política do imperialismo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
costa rica
Protesto na Costa Rica | Foto: Reprodução

Centenas de membros dos grupos sindicais do Movimento Sindical e Social marcham hoje na Costa Rica contra as políticas neoliberais do governo e qualquer empréstimo do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Em diferentes partes do país, os manifestantes realizam manifestações, caravanas de veículos e marchas, que nesta capital acontecem desde a estátua de León Cortés até a nova sede da Assembleia Legislativa, para expressar a rejeição de trabalhadores e cidadãos às propostas legais de Emprego Público e a eliminação da jornada de oito horas, e contra o FMI.

Pouco antes de iniciar a caminhada, o secretário-geral do Sindicato Nacional dos Empregados do Fundo e da Previdência Social (Undeca), Luis Chavarría, disse à Prensa Latina que a manifestação é de natureza pacífica e busca denunciar as políticas neoliberais que afetam a classe trabalhadora e vai endividar ainda mais o país.

Da mesma forma, no caso específico da Undeca, exigimos medidas de proteção para os profissionais de saúde que estão na primeira linha de atendimento à pandemia de Covid-19 na Costa Rica, sob o lema que se os profissionais de saúde estão em risco, Os costarriquenhos estão em perigo.

Ele lembrou que recentemente fracassou um diálogo entre representantes sindicais e autoridades sanitárias porque – segundo organizações trabalhistas – a diretoria do Fundo de Previdência Social da Costa Rica (responsável pela saúde pública neste país) insiste no reaproveitamento de equipamentos como o respirador com filtro N95 ou similar.

Os manifestantes marcham pelo Paseo Colón e depois vão pela Segunda Avenida até se concentrarem no Parque da Democracia, em frente à nova sede da Assembleia Legislativa, que é inaugurada neste dia, para pedir aos deputados para rejeitarem os projetos legais que afetam as grandes maiorias.

Este é o terceiro protesto sindical em duas semanas, já que no dia 6 se realizou um nesta capital e no dia 14 nas proximidades do aeroporto internacional Juan Santamaría, na vizinha província de Alajuela, enquanto o de hoje é nacional.

Por outro lado, desde o dia 30 de setembro anterior e para rejeitar uma proposta do Governo ao FMI para receber um empréstimo de US $ 1,75 bilhão, eles bloquearam estradas que fazem parte do Movimento de Resgate Nacional (MRN), um grupo da sociedade civil com apoio recente de alguns sindicatos e até de empregadores.

Na última quinta-feira, os dirigentes da MRN anunciaram a suspensão temporária – até quarta-feira – dos bloqueios de estradas. Este protesto, com fortes altercações entre os manifestantes e a Força Pública, é o mais violento das últimas três décadas na Costa Rica, outrora chamada de Suíça da América Central e do país Pura Vida, paraíso na Terra.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas