Marcha Mundial de Mulheres organiza ato contra Riachuelo

gnf

Na última terça (24), a Marcha Mundial de Mulheres organizou ato contra a Riachuelo, o ato foi realizado em frente à loja localizada na Avenida Paulista. O movimento de mulheres realizou a ação, colocando cartazes na vitrine da loja, onde denunciavam as condições precárias de trabalho que as mulheres estão colocadas na industria têxtil, e principalmente quando se trate do serviço terceirizado. A loja foi o alvo principal dessa ação justamente por estar dentre uma  das lojas nesse ramo que mais possui processos por causas trabalhistas.

A Riachuelo tem mais de 2 mil ações contra ela, sem contar as investigações acerca de condições de trabalho análoga a escravidão. O que se comprova pelas condições precárias que se encontra as trabalhadoras dessas confecções como denunciado no protesto. Uma das principais ações movidas contra a empresa está na ação civil pública do Ministério Público do Trabalho, desde então é exigida inspeções na fábrica de confecções da empresa que se localiza no Rio Grande do Norte. Com essas inspeções se constatou diversas infrações contra os direitos dos trabalhadores do local e por isso se exige a indenização de 37,7 milhões à Guararapes Confecções.

Essa é uma ação significativa na luta das mulheres por sua emancipação, denunciar a população qual o verdadeiro caráter de empresas que em sua totalidade respondem aos interesses do imperialismo em detrimento do esmagamento do trabalhador, assim como se demonstra na situação dessas mulheres que são exploradas pelas empresas terceirizadas que tem respaldo de empresas como a Riachuelo, da qual faz uso desse trabalho. Dentro do sistema capitalista, a mulher estar entre os setores mais oprimidos, portanto a luta da mulher deve ser a luta pela derrubada do capitalismo em conjunto com os trabalhadores.

Para além disso, é preciso denunciar quem está por trás da empresa, e isso se dá na figura de Flávio Rocha. O dono da Riachuelo se relevou como um verdadeiro representante dos interesses dos golpistas. Candidato a presidência pelo PRB (Partido Republicano Brasileiro) Flávio Rocha é o candidato da direita golpista apoiado pela organização fascista MBL (Movimento Brasil Livre). Ou seja, é o inimigo número um das mulheres quando se trata da garantia de direitos, sendo ele um dos principais articuladores da reforma trabalhista cujo afeta fortemente as mulheres.