Marcha da maconha foi maior do que o ato a favor de Bolsonaro

IMG-20190602-WA0019gg

A imprensa golpista tentou manipular os números para dar a impressão de que os atos pró-governo Bolsonaro não tinham sido um enorme fiasco. Procuraram os melhores ângulos para fotos e vídeos, fizeram o tradicional esquema da direita de chamar atos para o domingo, que especialmente no caso de São Paulo ajuda a dar a ideia de que há mais gente na manifestação por conta do passeio que os paulistanos fazem na avenida Paulista aos domingos e por fim investiram pesado em estrutura. Só em São Paulo foram sete trios elétricos para dar a impressão de grandeza.

Com tudo isso, com toda a ilusão, os atos coxinhas pró-Bolsonaro, que foram convocados pelo próprio presidente golpista, não conseguiram passar uma impressão diferente de fracasso. Ainda mais quando comparado primeiro aos gigantescos atos do dia 15 de maio, depois aos enormes atos do dia 30.

Mas como sabemos que falta bastante sentido lógico na cabeça da direita, facilmente manipulada pela imprensa golpista, chegou o fim de semana para de maneira cabal revelar o fracasso do atos do dia 26.

A Marcha da Maconha, convocada por entidades que lutam pelo direito democrático da legalização da maconha e outras drogas, aconteceu na Paulista no dia 1º de junho e estava muito maior do que os atos pró-Bolsonaro.

Conclusão: uma marcha da esquerda para lutar por um problema específico é capaz de mobilizar muito mais gente do que um ato de todo o aparato da burguesia para defender o presidente da República. É a demonstração final do fracasso! E a demonstração de que a esquerda precisa manter uma mobilização permanente até a greve geral do dia 14 pois o povo quer se manifestar.

Veja as imagens do gigantesco ato da Marcha da Maconha e depois do coxinhato bolsonarista.

Agora, uma imagem do ato do dia 26, na mesma Avenida Paulista. Não esquecer que ele ocorreu no domingo quando a Paulista já está tomada pelas pessoas que passeiam pela avenida fechada. É preciso levar em conta também o espaço entre as pessoas. Enquanto nas fotos da Marcha da Maconha é possível notar um ato coeso, com as pessoas andando em bloco bem próximas uma da outra, os coxinhas são mais adeptos do passeios, com mais espaços vazios.