Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
assassinato negros
|

O Brasil é um país de maioria negra. No entanto, esta maioria é esmagada sistematicamente pelos aparatos repressivos do Estado, como por exemplo as polícias e as Forças Armadas. De acordo com os dados apresentados pelo sítio O Imparcial, que foram extraídos do Atlas da Violência 2019, a cada 100 vítimas de assassinatos no Maranhão, 91 são negras!

Este percentual refere-se a 2017, último ano analisado pelo Atlas. Neste ano foram assassinadas 181 pessoas não-negras, categoria que inclui brancos, amarelos e indígenas, enquanto que 1968 negros, pretos e pardos tiveram o mesmo destino. Com relação ao número de negros mortos tendo como parâmetro a própria população negra do Maranhão, temos que para cada 100 mil habitantes negros no estado, 35 foram assassinados.

São dados muito alarmantes. A mesma pesquisa mostra que no período que vai de 2014 até 2017, o número total de assassinatos no Maranhão caiu de 2385 para 2149, no entanto, o percentual de negros mortos manteve-se estável em 91%, visto que em 2014 foram 2179 negros vítimas de homicídio. Ao observamos, entretanto, por um período de 10 anos, isto é, de 2007 até 2017, vemos que o número de homicídios de negros no estado mais do que dobrou, mostrando um aumento de 104,6%, enquanto que o de não-negros subiu em 15,3%.

Embora seja um resultado catastrófico, não é o bastante para que o Maranhão entre no hall  dos estados que possuem as maiores taxas de assassinatos de negros do país. A lista dos 5 estados que tem os piores índices de assassinatos de negros são, respectivamente, o Rio grande do Norte, com 87 mortos a cada 100 mil negros; o Ceará, que acumula 75,6 em 100 mil; Pernambuco, 73,2; Sergipe, 68,8 e finalmente Alagoas, com 67,9. Em todos os casos contamos o total de negros mortos a cada 100 mil habitantes negros. Com seus 35 homicídios a cada 100 mil negros o Maranhão fica próximo do Rio Grande do Sul, que apresenta um índice de 36,7.

São dados que mostram claramente a situação real vivida pelo negro na sociedade brasileira, de norte a sul do país, uma condição de esmagamento permanente. Portanto, não podemos acreditar que se trata de uma peculiaridade do Maranhão, uma vez que o estado inclusive sequer consta entre os estados onde mais negros são assassinados estatisticamente.

A esquerda pequeno-burguesa costuma discutir o problema do negro na sociedade de formas muito estranhas. Apelam para conceitos confusos, como o tal do lugar de fala, que determina que somente aqueles que sofrem um determinado preconceito na própria pele podem opinar sobre ele ou ainda a representatividade, ideia individualista que leva os negros a acreditarem que o melhor que podem fazer é comemorar a ascensão individual de alguns poucos negros na sociedade, tal como Joaquim Barbosa, por exemplo, ou até mesmo o Fernando Holliday. Isso quando não vemos um setor do movimento negro que se coloca na posição de “chave de cadeia”, propondo a prisão pra todo mundo, ao invés de ter uma posição contrária ao encarceramento.

A questão do negro na sociedade brasileira tem que ser enfrentada muito concretamente. Sendo maioria da nossa população, principalmente na classe operária, os negros devem seguir o exemplo dado pelos Panteras Negras e organizar a sua própria autodefesa, independente da polícia e dos outros órgãos do Estado, até porquê finalmente são estes mesmos elementos os responsáveis pelo massacre sistemático  da população negra.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas