Greve Geral da Educação
Nada justifica o retorno às aulas, pois o estado do Amazonas que fez isso há 20 dias tem ao menos 342 professores infectados pelo coronavírus, por exemplo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
congresso-nacional (1)
Congresso Nacional | Foto: Reprodução

Com a pressão da volta às aulas por parte dos bancos e patrões, o Senado Federal aprovou terça-feira (01) o projeto de lei (PL) 3.892/2020, de autoria da senadora Kátia Abreu (PP-TO).

A PL vai liberar para os estados e municípios as verbas federais emergenciais de enfrentamento à pandemia para adequação das escolas públicas. Uma forma de estar pressionando a volta às aulas.

O texto foi aprovado por 72 votos a favor e nenhum contrário, unindo a famosa frente ampla, mostra como a esquerda pequeno-burguesa está confusa diante da situação, pois irá fingir que uma adequação das escolas, para justificar o retorno.

Nada justifica o retorno, seria preciso construir mais que o dobro de escolas, pois o que já existe é insuficiente e as escolas ficam superlotadas. Por isso, o retorno deve ser realizado somente após o fim da pandemia e com a vacinação em massa de toda a população.

O retorno às aulas não é justificável também por exemplos práticos. O estado do Amazonas, por exemplo, que fez isso há 20 dias, tem mais de 342 professores infectados pelo coronavírus – provavelmente o número está manipulado para menos, como os dados do País como um todo.

O Congresso golpista, com o apoio da esquerda aliada à “frente ampla”, aprovou uma proposta farsesca para forçar a voltas às aulas presenciais, que poderá culminar numa catástrofe, onde alunos, professores, funcionários, bem como seus familiares, podem vir a contrair o COVID-19.

Os governos golpistas e genocidas dos estados e municípios recebem um apoio extra do governo ilegítimo e do Congresso que está a serviço do imperialismo. Os bancos e os patrões estão fazendo a conta de seus lucros: por isso querem reabrir as escolas, pois isso faz girar uma parte da economia. Porém, a reabertura vai custar a vida de milhares de pessoas – isso, no entanto, é o de menos para o governo e seus patrões capitalistas.

É preciso que os professores organizem a reação, é preciso chamar um ato nacional da educação, com assembleias regionais para iniciar uma greve da educação. Somente a mobilização da categoria pode barrar a reabertura das escolas. Os professores do Amazonas iniciaram a greve no dia 1º de setembro. Os professores dos outros estados, no entanto, devem agir antes que sejam retomadas as aulas para evitar qualquer contaminação. À greve!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas