Nas ruas e nas redes
Para realizar um grande ato de rua no dia 13 de junho é preciso que todas as atividades de partidos de esquerda, sindicatos e movimentos sociais estejam concentrados na convocação
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
É preciso retomar as grandes manifestações | Arquivo DCO

Desde que se retomaram as manifestações pelo Fora Bolsonaro, em Brasília no último dia 20 de maio, os trabalhadores e setores militantes da esquerda em escala nacional viram a necessidade de organizar atos nas ruas para derrotar o governo.

A campanha vergonhosa da esquerda pequeno-burguesa do “fique em casa” devido a pandemia do coronavírus abriu caminho para a extrema-direita atuar nas ruas e tomar o espaço para a preparação de um golpe e de ataques às organizações de esquerda.

O ato em Brasília foi na direção oposta a essa esquerda pequeno-burguesa covarde e deu um pontapé para quebrar o assédio moral realizado por esses setores contra quem propusesse algum ato e serviu para que outras organizações voltassem às ruas para manifestações contra o Bolsonaro e o fascismo.

Desde então ocorreram pequenos atos nas ruas em todo o país contra Bolsonaro e seus atos fascistas que pediam uma intervenção militar. As torcidas organizadas foram às ruas em diversas capitais do país e neste domingo lotaram a avenida Paulista, em São Paulo, enfrentando até a milícia fascista oficial que é a Polícia Militar.

Outro importante fato foi a Plenária Nacional das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, com a presença virtual de quase 300 companheiros representantes de entidades nacionais, como partidos de esquerda (PT, PCdoB, PCO, Psol, PCB, UP), entidades de luta dos trabalhadores da cidade e do campo, como a CUT (Central Única dos Trabalhadores) e o MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra), movimentos populares, como a CMP (Central de Movimentos Populares e o MTST (Sem Tetos), organizações estudantis, como A UNE e UBES, entre tantos outros, que aprovaram um calendário de mobilizações para um grande ato no dia 13 de junho.

Este é um importante momento que pode ser uma virada na situação política para derrotar Bolsonaro. Para realizar um grande ato de rua no dia 13 de junho é preciso que todas as atividades de partidos de esquerda, sindicatos e movimentos sociais estejam concentradas na convocação dessa manifestação nacional.

A CUT e seus sindicatos devem abandonar a política de frente ampla e “unidade” com as “centrais” pelegas para se apoiar nos trabalhadores. É preciso realizar atividades de convocação na base de seus sindicatos para o dia 13. O mesmo para os movimentos sociais, como MST e MTST, que deveriam mobilizar suas bases em todo o país para um grande ato do dia 13 em todas as capitais.

Para isso foi marcado no dia 5 de junho (na próxima sexta-feira) um dia de mobilização e agitação política pelo Fora Bolsonaro e de convocação para o dia 13.

É preciso reverter a situação de paralisia da esquerda pequeno-burguesa e combater a direita fascista e Bolsonaro nas ruas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas