Ajuste de Doria
Entidades estudantis protestam em frente à Alesp contra ajuste fiscal de Doria que pode absorver reserva das universidades de SP
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
DORIA
Estudantes nas ruas contra os ataques de Doria | Foto: Reprodução

Entidades estudantis de São Paulo, liderados pela UNE (União Nacional dos Estudantes) fizeram na tarde desta quarta-feira (26) um ato em frente a Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) contra o projeto de lei 529/20, do governador fascista João Doria (PSDB), que propõe cortes de na educação estadual da ordem de R$10 bilhões em 2021, que pode absorver a sobra do caixa das universidades públicas do estado e da Fundação de Amparo à Pesquisa (Fapesp).

Segundo o cínico governador tucano, ele enviou à Alesp projeto para conter rombo de R$10 bilhões em 2021 com previsão de destinar recursos de universidades e da Fapesp para o Tesouro. Segundo as entidades estudantis, a proposta vai paralisar pesquisas importantes sobre a Covid-19 no estado.

O corte de verbas para as pesquisas envolvendo o coronavírus foi um alerta feito por especialistas da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de S. Paulo (Fapesp). Dentre as propostas apresentadas pelo governo no PL 529/20, uma delas prevê que o superávit de fundos, autarquias e fundações existentes sejam direcionados ao Tesouro (a conta única do estado).

Se implementada, a medida impactaria diretamente os fundos da Universidade de São Paulo (USP), da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), com a transferência de reservas de caixa dessas instituições, que já estavam empenhadas e destinadas a bolsas e estudos em diversas áreas.

 

Empresas incluídas no projeto de destruição chamado ”reforma” do governo:

– Fundação Parque Zoológico de São Paulo
– Fundação para o Remédio Popular “Chopin Tavares de Lima” (FURP);
– Fundação Oncocentro de São Paulo (FOSP);
– Instituto Florestal;
– Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano de São Paulo (CDHU);
– Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo S. A. (EMTU/SP);
– Superintendência de Controle de Endemias (SUCEN);
– Instituto de Medicina Social e de Criminologia (IMESC);
– Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (DAESP);
– Fundação Instituto de Terras do Estado de São Paulo “José Gomes da Silva” (ITESP);

A tarefa da Juventude

É preciso destacar que ir às ruas neste momento é uma coisa positiva mas a UNE precisa convocar estudantes a participarem das mobilizações. Os atos precisam ser maiores. Não meramente ”simbólicos” e sim atos monstros, com centenas de milhares de estudantes nas ruas para parar os ataques.

A juventude brasileira tradicionalmente, historicamente foi uma grande impulsionadora de atos contra a direita. No final dos anos 70, foram as mobilizações estudantis junto com a dos operários que ajudaram a construir um processo de decomposição da ditadura que durou duas décadas (1964-1985).

O fim do atual regime ditatorial, iniciado pós golpe de estado em 2016, passa pelas mobilizações de ruas, com os estudantes numa frente única de esquerda contra o fascismo e a burguesia golpista de conjunto.

Fora Bolsonaro nas ruas!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas