Ativista anti-aborto
O ministro da Saúde de Bolsonaro, hoje pintado como heroi, é na realidade um elemento fascista, inimigo declarado dos direitos das mulheres
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
(Brasília - DF, 29/05/2019) Presidente da República Jair Bolsonaro acompanhado do Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta.rFoto: Carolina Antunes/PR
Bolsonaro e Mandetta. |

Em abril de 2007, uma clínica de aborto foi fechada em Campo Grande-MS. Era o início de um pesadelo para cerca de 10 mil mulheres. Isso porque o Judiciário, mostrando a verdadeira política de terror, devassou os prontuários de duas décadas da clínica para listar as mulheres que haviam passado por ali. O objetivo era acusa-las do crime de aborto e coloca-las na prisão.

Além do Judiciário e da polícia, outro personagem esteve liderando a perseguição contra essas mulheres: o então secretário de Saúde de Campo Grande. O nome dele, Luiz Henrique Mandetta.

Então no PMDB, o agora ministro da Saúde do governo Jair Bolsonaro, foi um dos responsáveis pelas atrocidades cometidas contra essas mulheres. Na época, vários órgãos de imprensa noticiaram o que estava acontecendo, inclusive este Diário, que esteve no Mato Grosso do Sul para denunciar esse crime contra milhares de mulheres que tiveram a vida devassada pela direita e ameaçcadas de prisão.

Esse episódio não foi um acidente na vida política de Mandetta. Antes de se tornar deputado federal, enquanto foi deputado e quando se tornou ministro do governo fascista de Bolsonaro, Mandetta leventou a bandeira anti-aborto. Nenhuma novidade para um governo que é composto por elementos da extrema-direita, a começar pelo próprio presidente da República, e têm em suas fileiras como ministra dos Direitos Humanos uma fundamentalista evangélica fervorasa defensora anti-aborto, Damares Alves. Como deputado, Mandetta foi autor de vários projetos contra as mulheres.

Em setembro de 2019, Mandetta esteve em Assembleia da ONU sobre a saúde e junto com o secretário de Saúde dos Estados Unidos, Alex Azar, defendeu que “Não há direito internacional ao aborto e esses termos não devem ser usados ​​para promover políticas e medidas pró-aborto”.

Mandetta, além de ser o homem dos planos de saúde no governo Bolsonaro, além de ter sido um dos defensores mais ferrenhos do golpe contra Dilma Rousseff, tem outra peculiaridade: é um inimigo declarado das mulheres e de seus direitos mais básicos.

Esse é o ministro de Bolsonaro que, como o seu presidente, é um elemento de extrema-direita. A esquerda pequeno-burguesa, ao defender Mandetta, está na realidade defendendo um fascista a pretexto de atacar outro fascista. Nada poderia ser mais fora da realidade e mais perigoso.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas