Democracia burguesa
O governador Flávio Dino (PCdoB) utilizou o exemplo da África do Sul para demonstrar a suposta eficiência da aliança com a direita
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
mandela
Nelson Mandela | Foto: Reprodução

Em artigo publicado pelo jornal O Globo no dia 23 de julho, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), utilizou o exemplo da África do Sul para justificar a suposta eficiência da “frente ampla” — isto é, a aliança entre golpistas e a esquerda. O texto, intitulado “Caminhar com Mandela”, apresenta os seguintes argumentos:

“Quando Nelson Mandela ficou livre de arbitrária prisão na África do Sul, ele priorizou uma tarefa: liquidar o apartheid. Para isso, como ele escreveu na sua autobiografia, o seu partido CNA deveria ser, naquele momento, uma generosa tenda a acolher diversas correntes políticas. Nenhuma diferença poderia ser mais importante do que acabar com o apartheid. O pensamento progressista no Brasil precisa refletir sobre o exemplo de Mandela”.

De fato, a política de Nelson Mandela para a África do Sul tem muita semelhança com a que Flávio Dino quer levar adiante no Brasil. Contudo, o que chama bastante a atenção é que a eleição e o governo de Mandela são péssimos exemplos para quem quer defender a “frente ampla”. A frente entre a esquerda e a direita não obteve êxito em lugar algum do mundo, e o caso da África do Sul é apenas mais um desses fracassos.

Nelson Mandela era uma liderança importante da esquerda sul-africana antes de ser preso, no início da década de 1960. No entanto, enquanto Mandela permaneceu nada menos que 27 anos na prisão, a situação política mudou bastante, assim como o próprio Mandela. Em 1990, quando Mandela foi enfim libertado, a África do Sul havia ingressado em uma etapa pré-revolucionária. Havia inúmeras manifestações contra o regime do apartheid, incluindo greves organizadas pelos sindicatos sul-africanos.

Nesse cenário, os negros da África do Sul falavam abertamente em tomar o poder por meio de uma ressurreição armada. A repressão do regime respondia com igual intensidade, e a revolta era cada vez maior. O regime estava à beira da destruição.

Foi a mobilização revolucionária do povo sul-africano, e somente ela, que fez com que a burguesia branca que comandava o país africano decidisse tirar Nelson Mandela da prisão. Uma mobilização, é preciso destacar, que não só levou milhares de pessoas às ruas, como ameaçava a derrubada violenta do regime político. A saída de Mandela, contudo, não saiu de graça: fez-se um acordo e Mandela se comprometeu a usar seu prestígio perante os trabalhadores sul-africanos para orientar o movimento em direção às eleições.

Mandela conseguiu se tornar presidente da África do Sul e seu partido se tornou o mais importante partido do país, de um ponto de vista eleitoral. Entretanto, o processo eleitoral acabou por dissipar as tendências revolucionárias do trabalhadores negros sul-africanos, que queriam pôr um fim no regime do apartheid. Como consequência da desmobilização, Nelson Mandela e seu partido não conseguiram realizar mudança significativa alguma no país.

Os brancos, que correspondem a cerca de 10% da população sul-africana, continuam controlando cerca de 70% das terras do país. As empresas mais importantes do país, que Mandela prometeu nacionalizar, continuam nas mãos dos capitalistas brancos. Cerca de 80% das ações na bolsa de valores também estão nas mãos dos brancos.

A chamada “via democrática”, por meio das instituições burguesas e de acordos com os inimigos do povo não leva a vitória alguma. O único caminho para acabar com o regime de exploração dos capitalistas é por meio da mobilização revolucionária dos trabalhadores.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas