Demagogia eleitoral
PCdoB apresenta mais uma “solução” para combater a crise política e o avanço do fascismo: “Mandatos Compartilhados”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
DNT  01-05-2018  SAO PAULO - SP / POLITICA OE OE / DIA DO TRABALHO / ATO FORCA SINDICAL - (esq-dir) Pre-candidata a Presidencia da Republica pelo PCdoB Manuela d'Avila, Orlando Silva, deputado federal (PCdoB-SP), Paulinho da Forca, deputado federal (Solidariedade-SP), Aldo Rebelo do Solidariedade e Paulo Rabelo de Castro do Partido Social Cristao, em ato da Forca Sindical no Campo de Bagateli, zona norte de Sao Paulo, que comemora o Dia do Trabalho com shows, sorteio de carro e discursos politicos - FOTO DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO
PCdoB sempre a reboque de políticas direitistas e com elementos golpistas | Imagem: reprodução

Com a crise política e o avanço da direita, a esquerda pequeno-burguesa está tentando de todas as maneiras fazer demagogia com um setor da classe média esquerdista para angariar alguns votos e eleger alguns parlamentares.

São diversos exemplos que tem surgido e, inclusive, sendo propagandeado pela direita como os mandatos coletivos, ‘mandatas coletivas’ e, agora uma nova modalidade: os mandatos compartilhados.

O PCdoB elaborou essa tese e apresentou em seu portal na internet O Vermelho a solução para a crise política e o avanço do fascismo sendo o mandato compartilhado. A explicação é cheia de demagogia e clichês para jogar todas as suas cartas nas eleições. O texto apresenta que “em momentos de crise democrática, somente a imaginação política pode desengessar as velhas práticas e tradições”, também “enquanto uma reforma política que estabeleça o voto proporcional de lista fechada não vem, outras alternativas democráticas precisam ser encontradas.”

E a explicação para a crise vem com a seguinte frase: “No mandato compartilhado, esse vereador eleito não permanece no cargo por todo o mandato de quatro anos. Ele abre mão em algum momento para que seu primeiro suplente assuma por 6 meses, depois para que o segundo suplente assuma outros seis meses e assim por diante.”

Em primeiro lugar, o mandato compartilhado não combate o personalismo apresentado pelo PCdoB, isso porque continuam focado em pessoas ou parlamentares que fazem a sua campanha e tomam as decisões de acordo com suas cabeças e interesses, e não fazendo campanha pelo programa do partido.

Em segundo lugar, o PCdoB se esquece que não há solução mágica e criativa ou com grande imaginação para combater a crise política e o fascismo. A crise econômica, o golpe de estado, um regime militar aberto e o fascismo não podem ser combatidos com manobras esquisitas e sem mobilização dos trabalhadores, como estão sendo apresentadas.

O que combate o personalismo é um programa único para o partido e que deve ser seguido por todos os parlamentares, pois foi discutido democraticamente e deve ser colocado em prática como tal. Qualquer solução diferente desta é uma maneira de fazer apenas demagogia eleitoral.

No caso do PCdoB isso fica mais claro devido a sua política colocada em prática como o Movimento 65, uma política eleitoral difusa que que chama praticamente qualquer pessoa para sair candidato pelo partido e tentar se eleger, desde de setores muito direitistas que não tem nada com a esquerda. Revelando apenas uma política eleitoreira e somente interessada nos cargos obtidos através das eleições.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas