Menu da Rede

Inflação, desemprego, vírus: a vida que a direita fornece ao povo

Mobilização permamente

Novo ato confirmado: sair às ruas dia 19 de junho!

É necessário agora tomar às ruas mais uma vez e fazer o dia 19 ser várias vezes maior.

Passados os grandes atos realizados neste último dia 29, o desejo de continuar e ampliar a mobilização vem tomando conta de todo setor de base dos partidos da esquerda – Reprodução

Foi anunciado nesta quarta-feira por meio da coordenação da Frente Fora Bolsonaro, na qual se reúnem diversos partidos da esquerda e organizações populares, a mais nova data de manifestações nacionais que ocorrerá no dia 19 de junho em todas as capitais do país.

Passados os grandes atos realizados neste último dia 29, o desejo de continuar e ampliar a mobilização vem tomando conta de todo setor de base dos partidos da esquerda e organizações populares, mostrando que a compreensão é clara que apenas nas ruas é possível derrotar o regime golpista.

Consolidar a mobilização

As manifestações ocorridas neste sábado surpreenderam a direção de todos os partidos da esquerda. Após mais de um ano em completa paralisia, a esquerda se deparou com a quebra da barreira de contenção por parte dos trabalhadores e a tomada das ruas por centenas de milhares de jovens, militantes, ativistas e operários em todo Brasil. Apenas na Avenida Paulista em São Paulo, a manifestação concentrou cerca de 80 mil pessoas segundo estimativas realizadas pela Frente Brasil Popular e CUT. No restante do país, mobilizações expressivas foram vistas em Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife, Salvador e nos estados da região sul.

Mesmo as cidades de interior onde aconteciam atos secundários, como em Campinas, milhares de pessoas realizaram manifestações, mostrando que a situação é cada vez mais explosiva em todos os lugares. O dia 29 em um todo ficou marcado pela volta em definitivo das mobilizações nas ruas de todo país, com a presença massiva de setores da juventude não organizada e militantes de base das mais diversas organizações.

Outra questão que marcou a mobilização foi a não presença de grande parte dos dirigentes dos partidos de esquerda e organizações populares. Em um ato impulsionado pela base, os sindicatos e partidos que sequer mobilizaram efetivamente seus aparatos se depararam com uma grande mobilização política. Esta situação vem empurrando as direções da esquerda pequeno-burguesa assumirem uma posição mais combativa frente a situação, reverter a mobilização e capitular, como inicialmente tentaram é cada vez mais perigoso frente a uma população extremamente radicalizada.

Uma situação cada vez mais explosiva

Os protestos acompanham a radicalização política que vem se formando em todo continente latino americano. Os trabalhadores brasileiros assimilando a experiência da luta contra o golpe e as revoltas que ocorrem em diversos países da região, estão cada vez mais decididos da importância de não sair das ruas até garantir a derrota do regime golpista.

A mobilização não pode parar por aqui e novos atos devem ser chamados por toda parte, intensificando a luta. Uma nova onda de mobilizações poderá não apenas fazer a situação política explodir de uma só vez, como também, efetivamente levar a baixo o regime golpista.

O momento é crucial, em manifestações como a de São Paulo, foi visível a impopularidade dos discursos vazios das direções já há muito tempo paralisadas, a juventude e os trabalhadores se motivavam em declarações como a de Antônio Carlos (PCO), que atacou a política do “fique em casa” e defendeu a continuidade da mobilização e a candidatura de Lula da Silva.

Mesmo a campanha cínica na imprensa que visa criar uma crise contraria a mobilização, destacando fatores como “isolamento social” e até mesmo a necessidade de se usar verde e amarelo nas manifestações, não estão surtindo esperado por parte da burguesia. Ao contrário de 2013, onde houve uma explosão social de diversos setores dispersos e confusos, estes atos do dia 29 contaram com a presença absoluta da esquerda e claramente identificado com as organizações de massa do povo.

É preciso que Lula vá às ruas

É preciso agora continuar com a mobilização nas ruas e organizar uma forte campanha para o dia 29 de junho ser ainda maior, pois o movimento não pode parar. É importante inclusive a presença de Lula na próxima manifestação, sua candidatura representa para milhões de trabalhadores a luta contra o golpe de estado e a defesa do emprego, auxílio e vacinação de toda população.

Em torno de sua candidatura está o setor mais radicalizado da população brasileira, por isso, sua presença se faz de extrema importância para a ampliação de todas as manifestações. Isto foi já visto no passado, nas mobilizações em torno de sua candidatura em 2018 antes de sofrer da fraude eleitoral.

Lula foi o ponto central de toda mobilização nos últimos anos, seja na luta contra sua prisão, nas mobilizações por sua liberdade e agora novamente em torno de sua candidatura. Sua figura tornou-se um ponto de afunilamento de toda revolta popular contra o regime golpista, e sua base é ainda mais radicalizada do que já fora no passado. Assim, sua presença nas manifestações daria um impulso definitivo para a luta contra o golpe de estado que poderá ser capaz de por abaixo não só Bolsonaro, mas todo regime golpista. Nesse sentido, um primeiro passo já foi dado e Lula foi convidado a participar da próxima plenária nacional de organização das manifestações.

Outra questão a ser levada em conta é que a presença de Lula fortalece a mobilização em torno de sua candidatura e impede qualquer infiltração direitista nas manifestações. Explicita de uma vez que as manifestações são totalmente contra o regime golpista e sua candidatura representa este fenômeno da mobilização política.

O momento é muito promissor, tende à esquerda e a polarização política apenas aumenta em todo país. Com a continuidade das manifestações poderá ser visto um fenômeno semelhante ao Fora Collor ou as mobilizações de 2013, que pararam todo país e representaram um momento de grande radicalização política da população brasileira. Contudo, o diferencial neste momento é que a classe trabalhadora está cada vez mais à esquerda e as manifestações vem se ampliando em um espaço de tempo muito menor, mostrando a disposição de luta dos trabalhadores.

As direções de toda a esquerda acertam em chamar uma nova manifestação, agora é preciso formar um calendário de mobilizações permanente em todo país.  É necessário agora tomar às ruas mais uma vez e fazer o dia 19 ser várias vezes maior.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.